separação

Do Que os Homens Gostam?

Postado em Atualizado em

Primeiro, quero deixar claro que estou absolutamente confusa! Não existe mais homem raiz, minha gente!

São tantos casos surreais que acontecem comigo e com minhas amigas, que fico pensando onde a humanidade vai parar.

Bebês, uma coisa que Luluzinha vai dizer para vocês, que talvez os choque: as mulheres são muito menos complicadas que vcs!

Ok, a gente sangra todo mês e isso, por si só, é puta esquisito. Ficamos nervosas por conta disso, às vezes até um pouco exageradamente, mas são poucos dias, passa! Vc tem pelo menos mais 25 dias por mês de vida normal. Normal para nós! Porque vcs homens, têm o poder de embananar nossa mente! Homens ficam menstruados o mês todo, a vida toda?

Nós mulheres temos que ficar medindo palavra, comportamento, tesão porque senão os mocinhos se assustam, bloqueiam, o pau não sobe… socorro, né! Nós temos vontades sim, desejos… não necessariamente queremos casar, estamos carentes, estamos buscamos somente relacionamentos sérios, ou queremos alguém para nos bancar. Open your minds!

Outro aviso: o fato de sermos independentes não significa: 1) que temos pau; 2) que não aceitamos que cavalheiros paguem as contas; 3) que não possamos pagar a conta toda, caso o rapaz tenha algum problema; 3) que não amamos; 4) que não temos tesão.

Equilíbrio é fundamental.

Dito isso, fica mais claro expor algumas colocações sem parecer feminista, machista, sexista, extremista ou sei lá mais o quê… Tem pessoas que adoram problematizar as coisas…

Vou trazer casos de amigas e meus, preservando seus protagonistas. Isso é uma obra de ficção, qualquer analogia com fatos reais, será sim, proposital.

Caso 1)
Ele: 45 anos, engenheiro, empresário, separado, sem filhos, um pincher com um nome ridiculamente infantil, a quem vou chamar de PSICO.
Ela: 41 anos, separada, filhos, cachorro, independente, a quem vou chamar de NOTA PSICO.
Se conheceram num aplicativo de relacionamento. Conversaram por quase 3 meses antes de se conhecerem. Ela chegou a aceitar a proposta para 2 encontros que ele fez, mas no dia acertado, ele nem entrava em contato. E ela, como mocinha da história, não o procurava.
Num certo dia, ele a telefonou e disse um sonoro “É Hoje! Vou te conhecer.”, ao que do outro lado da linha, a resposta um tanto quanto sarcástica respondeu um valioso monossilábico “OK”. Ele disse que sairia do Recreio às 14hs para ir para o Centro. Às 15h ele chegou, com óculos emendado com esparadrapo, camisa florida que ele deve ter comprado num brechó que o Silvio Santos despacha as suas camisas casuais, calça surrada, mas queria beber. Ela o levou num restaurante com chopp artesanal. Ele disse que estava lendo um livro sobre psicopatas e que tinha feito o teste, que não era psicopata com certeza. Ela pensou: Sorte a minha… A conversa não rendeu muito tempo, ela tinha que voltar ao trabalho. Ele entendeu, mas antes deixou com ela um link para que ela fizesse o teste de psicopatia. ok…
Duas semanas depois continuavam se falando e ele a pediu para visitar com ele um imóvel que ele tinha e que precisava de ajuda. Ela pensou: É hoje! Depois de andarem o bairro todo. Ele a levou no carro e deu um selinho super infantil, enquanto ela pensava em algo mais profundo. Ok, o rapaz pode ser devagar.
Os papos continuaram por telefone, mensagem, video, mas nunca nada mais quente. Porém, PSICO já a tratava como namorada e futura esposa (?????). Mas, e…
Numa sexta a tarde ele ligou para ela e a chamou para jantar. Só que tinha que ser no Recreio, num restaurante que ele gostava muito e que queria que ela conhecesse. Ela saiu do centro às 18:20 e só conseguiu chegar lá no dito restaurante às 20:40. Ela esperava que ele fosse cavalheiro, afinal de contas, ela foi até o encontro dele, longe bagarai, mas ok, a conta foi dividida. Era meia noite e ele a chamou para a casa dele, ela aceitou. Chegando lá, ele ligou a TV em clipes dos anos 80, se deitou no sofá, do lado dela, de calça jeans e assim dormiram. Dormiram. Ela, ainda sem acreditar, esperou amanhecer. Ele roncava tão alto, que ela percebeu que o melhor mesmo era dar por finalizada aquela aventura.
Sem mais.

Caso 2)
Ele: 33 anos, engraçado, conversa boa, a quem vou chamar de LIER
Ela: 41 anos, engraçada, conversa boa, a quem chamarei de CHOCKED
Também se conheceram pelo aplicativo. A conversa animou rápido, muitas coisas em comum. Falaram sobre tudo, já estavam até conversando por voz, video e etc. Opa! Tá na hora de marcar.
O LIER escreve uma frase solene: “Estou muito feliz que finalmente vamos nos conhecer, mas antes preciso lhe dizer algo que estou com medo de sua reação.”
Ok, desembucha logo. Quer matar uma mulher é fazer esse suspense. A gente banca a séria e a controlada, mas o fogo já está consumindo nossas ventas até a criatura colocar a porra do mistério para fora.
O Lier continua digitando…
A Chocked esperando o whatsapp atualizar a mensagem já roendo e terceira unha. Em cima, digitando… não desaparece. É um testamento?
Finalmente a mensagem. Algo do tipo: Olha, não sei o que vc vai pensar, mas por favor não me julgue. Sou casado, amo minha mulher, mas quero você. Não quero me separar da minha esposa, mas quero também ter você ao meu lado. Vivo bem com ela, não me falta nada. Mas estou louco por você.
Não, para! É muita informação para mim!!!!!!!!
Alguém desenha para mim, que acho que eu abobalhei. COMO ASSIM??????????????
Obviamente ela o bloqueou e fim.

Caso 3)
Ele: 42 anos, independente, mas mora com os pais, já morou com alguém, mas se feriu. Chamarei de RAQUETE.
Ela: 41 anos, independente, separada. Chamarei de LADY.
Lady e Raquete têm uma amiga em comum, que os apresentou via facebook. Raquete estava sofrendo por um amor não correspondido e a amiga apresentou LADY. Trocaram telefones. Ele devagar. Mandava mensagens esporádicas. Talvez com receio de ser rejeitado. Ela o respondia sempre, prontamente.
Finalmente marcaram, quase 2 meses depois. Cinema e lanchinho. Na carona de volta para casa, splish splash, foi o beijo que ele deu. Lady amou. Queria mais. Mas ela saiu na porta da casa dela e nada aconteceu. 2 dias e silêncio. Será que Raquete não gostou???? A Amiga intercedeu. Não, estava ocupado, justificou. Mandou mensagem com foguinhos para Lady, ela acreditou. “Vc traz a lenha, pro meu fogo acender…”
Fogo ??? Ela chamou Raquete para um café num noite fria de outono, ele disse que não podia… Ok, vai ver que não pode mesmo.
3 dias depois, domingo, sol maroto… “Oi, Raquete, o que planeja para hoje?”, ele responde: “Estudar para a pós, estou com matéria atrasada…” Gente, que borracha fraca é essa?????? Se fosse homem raiz, ela nem precisaria terminar a frase, ele já estaria na porta da casa dela, com arma em punho para começar a brincadeira de polícia e ladrão.
Fica para uma próxima…

Caso 4)
Ele: 45 anos.
Ela: 41 anos.
Aplicativo de namoro. Mundo pequeno, um amigo dele conhece o ex marido dela. Conversaram pouco, ele era interessante. Marcaram. Ele estava gripado, tinha tomado um coquetel Molotov e estava em marcha lenta. Ela o levou em casa, ele se despediu com um beijo. Que beijo! Segundo encontro rápido!
Ela já subindo pelas paredes, 2 meses sem trepar, se arruma toda, vai trabalhar e a noite tem o encontro. 16:30, quase lá. Vai no banheiro e tcham! Tio Chico chega de surpresa. Fala sério!!!!
Obviamente a sugestão existiu! Opa, ele é raiz????!!!! Ela explica que tem bandeira vermelha no mar. Ele a principio diz não ligar e insiste. Ok, vamos lá. No caminho ele diz: Pensando bem, é melhor adiar. Ok.

Caso 5)
Ele: 39 anos, solteiro
Ela: 41 anos, separada
A irmã dela manda uma foto e pergunta: “e ai? Serve?”. Ela responde: “Uau, e como serve!”. Amigo de infância da irmã e ela diz: “Então corre no app que vcs deram match, mas ele tá sem graça porque você não deve ter associado quem é ele. Manda uma mensagem para ele que ele vai te responder. Ele tá a fim.”
Ela manda a mensagem fazendo analogia a coincidência de forma inteligentemente engraçada e ele responde. Óbvio que ele responde, com huahuahuahua.
Fim.

Caso 6)
“_ Ah, não vou chamá-la para sair essa semana porque semana que vem é dia dos namorados e eu tenho medo que ela entenda errado e eu não quero gastar dinheiro.”
“_ Querer eu quero, poder eu posso, gostar eu gosto (até muito), mas não sei se devo…””
“_ O problema sou eu, não você…”
“_ Ah, mas eu só saio com puta profissional, não é traição com minha esposa porque não tem sentimento.”
“_ Eu faço isso para me sentir desejado, mas não quero me separar da minha mulher.”
“_ Eu terminei com ela porque não conseguia tirá-la da cabeça e isso me impedia de fazer outras coisas.”

Ai, gente… Parei. Cansei… Nem vou contar mais casos. São muitos. Todo dia alguém me conta um outro mais absurdo ainda. Esses caras são muito complicados. Tá a fim, chega e diz. Se a menina tiver a fim também, por que não? Não criem lendas urbanas na mente, não tenham medo do destino. Não tenham medo de menina só porque ela se banca, isso não significa que ela vai te cornear. Deixe rolar. Se não der certo, começa de novo e de novo. Que medo mais ridículo que os homens têm de se apaixonar. Gente, a vida é curta! Pra que ficar adiando as coisas? Carpe Diem, aproveite cada momento como se fosse o último, não sabemos quando a nossa vida chega ao fim, pode ser a qualquer momento, a vida sempre será um sopro.

Outra coisa, se você procura fora do seu relacionamento algo a mais, é porque o seu relacionamento não é completo para você, não se engane. Não engane sua parceira. Procure sua felicidade completa em alguém. Não prorrogue mentiras, nem sofrimentos. Jogue limpo, sempre, sem complicações. Não crie fantasias na cabeça, não tente pensar por nós. Não tente imaginar o que passa na nossa cabeça. Amem, simples assim!

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Julgamento e Culpa

Postado em Atualizado em

Hoje me lembrei muito de uma amiga muito querida. Nunca nos vimos pessoalmente, mas nos falávamos diariamente durante quase 2 anos. Era engraçado, pois ela trabalhou nos mesmos lugares que eu, em épocas diferentes. Ouvia falar de mim, até que me substituiu diretamente em uma função num Banco. Por tanto que meus pares falavam de mim e pelo legado de coisas que eu tinha deixado, um dia ela me adicionou na rede social. Queria inicialmente trocar experiências profissionais, mas começou naquele dia uma amizade virtual super forte, muito além do que imaginávamos.

Nestes dois anos que nossa amizade durou, ela passou por vários problemas, um atrás do outro. Primeiro foi a separação dela, em seguida o irmão, que era do BOPE, foi assassinado numa missão. 2 meses depois a tia descobriu que estava com câncer, faleceu em 2 meses, no mesmo momento que a mãe descobriu que estava com o mesmo tipo de doença, foi levada tão rapidamente quanto a tia. Um alívio veio semanas depois, a notícia de uma gravidez, mas a boa nova se tornou dor logo logo, pois ela também perdeu o bebê.

A cuca pifou, ela não aguentou. Tudo junto. Quem aguentaria???? Se Entristeceu, deprimiu, sofreu. Se fechou em copas, precisou de ajuda médica. Aos poucos se recuperou. Viajou por 6 meses para esquecer, foi ser chique na Suiça, voltou sorrindo, quase me convencendo que estava feliz. Mas…

“Tudo o que você precisa é de um lindo sorriso para esconder sua alma machucada. Assim, ninguém vai perceber o quão mal você está.” – Robin Williams (1951-2014).

Eu sabia que não estava tudo ok. Nossas conversas eram intermináveis. Mas, um dia de cada vez, ela ia voltando. Um dia ela me ligou chorando, precisava de uma advogada. Tinha sido afastada de sua filha numa atitude vil e covarde de seu ex-marido. A Alegação? Que uma pessoa deprimida não teria condições de cuidar de uma criança. Mas ela só queria visitar! Ela sabia que precisava ainda de tempo para se recuperar. Esse direito lhe foi negado. Ele não queria deixar que ela visse a menina até que o médico lhe desse alta. Mas minha gente, depressão não é um botão de liga e desliga. Quanto mais a gente está na areia movediça, mais difícil de sair dela. E a areia movediça que a consumia, era muito densa, ela ia precisar de tempo para sair completamente limpa daquela armadilha do destino.

Consegui a advogada e liguei de volta. Era uma quinta antes do carnaval e Cris não me atendeu. Julguei que ela já havia viajado para tentar amenizar a dor dela, curtir o carnaval. Julguei!

O carnaval passou. Eu deixei recado malcriado pelo skype, pelo orkut, pelo face, pelo twitter, celular…

Julguei que ela estivesse com problemas comigo (!!!) ou que talvez ainda estivesse embalada com o pós carnaval… Novamente eu julguei!

Dias depois eu dirigia para um cliente, meu caminho foi interrompido por uma notificação no celular. Era do facebook. A irmã da Cristiane avisando que ela tinha tirado a sua vida na quarta feira de cinzas. Encostei o carro e não consegui mais dirigir. Travei na entrada da ponte Rio-Niteroi, sem forças para continuar. Lembro que algum funcionário meu foi me ajudar e me levou em casa. Não lembro direito. De repente, tudo ficou cinza para mim.

Cara, como eu chorei! Chorei muito! Como a culpa me invadiu. Como eu não pude interpretar que ela precisava de mais ajuda que eu consegui dar? Como eu pude deixar que isso acontecesse? Pior, como eu pude julgar!!!!!!!!

A culpa me consumiu por um bom tempo. Até hoje, na verdade. Durante quase 2 anos eu sempre enviava mensagens para ela pelas redes sociais. Dizia que sentia falta dela, que ela tinha sido uma palhaça por ter feito o que fez. Tentava, em vão, convencê-la que eu estava ali para oferecer toda a ajuda possível. Mas ela não me escutava mais.

Ela se foi em Março de 2011. Desde então, duas coisas me fazem muito mal: Julgar e ser julgada.

NÃO JULGUE!

Ninguém jamais saberá integralmente os seus problemas. Ninguém vive a sua vida, não habita na sua cabeça e nem sabe quais foram as experiências que te trouxeram até aquele ponto.

Muitas pessoas se afastam desnecessariamente de pessoas queridas por julgamentos errados. Julgamentos que magoam e que muitas vezes são frutos de uma imaginação nada gentil acerca do próximo.

Ta com dúvida, pergunte. Ta com problema, exponha. Tem alguém precisando de ajuda, se entregue.

A vida já é uma bosta. Se a gente não faz por onde levar algo bom para o próximo, onde vamos parar? No esgoto????

Ou será que viveremos de culpas que não teremos mais como resgatar, entrando num ciclo vicioso de dor e arrependimentos, que nos entristecerão e nos levarão a dores tão grandes que nosso peito um dia poderá não mais aguentar.

Cris, hoje eu precisava de você. Ia te ligar e íamos chorar e rir por horas como fazíamos sempre. Espero que você esteja bem. Miss you, dear. ❤

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Você está Atento aos Sinais?

Postado em Atualizado em

O ser humano sofre de miopia sensitiva. Não percebemos coisas claras na nossa frente, informações que nos são passadas a todo momento e que, por descuido ou desatenção, acabam passando batido.

Fui uma adolescente (super!!!) exotérica e, por conta disso, tive um contato muito cedo com os livros de Paulo Coelho. Lembro com perfeição da primeira vez que li a respeito da linguagem dos sinais e entendi como Deus, o Universo, os anjos e tudo o mais conseguem falar conosco, responder nossos anseios e temores através desta linguagem universal.

Com a vida adulta, as atribuições e a falta de romantismo natural desta fase, deixei de prestar atenção nesta comunicação extrassensorial, mas é certo que esses sinais aparecem a todo momento. Nem sempre astralmente falando…

Às vezes tá tão claro… tão claro… que acaba ofuscando… Como naquele dia que você não para de pensar no crush, erra o caminho sem querer e pah! Ele aparece na sua frente!

Precisa escrever na testa?

Lembro de um texto que li uma vez e que vejo acontecer a todo momento: Um religioso estava no meio da enchente e clamava pela ajuda divina em cima de seu telhado. Que queria uma mão de Deus para o ajudar. Veio um helicóptero e ele recusou dizendo que não era o braço de Deus. Quando morreu, chegou no Céu reclamando que ele, como uma pessoa super religiosa, não conseguiu a mão de Deus para o ajudar. Nisto aparece Deus e lhe diz que ele bem que tentou com os braços mecânicos, mas que ele não entendeu que o Helicóptero era a materialização dos braços de Deus, mas ele recusou.

A vida é fácil, a gente que cisma em complicar a porra toda. Tem certos sinais que vem como sinaleiras de neon reluzentes e a gente simplesmente ignora.

Sofrer é mais legal, né? Gera comoção, pena, a gente pode fazer os outros sentirem dó da gente. Só pode! Ô povo burro!

E aquelas pessoas que adoram sinalizar o contrário do que sentem!!! Ah… esses abestalhados merecem um capítulo a parte da ignorância humana. Até porque, criatura, se o seu interlocutor segue a leitura dos sinais, você estará repelindo quem você quereria aproximar.

Repetindo: A vida é fácil, mas…

Atenção, não sinalize o que não quer dizer e entenda o sinal que é direcionado a você.

Se tá difícil a sinalização, seja direto e sutil então, mais ou menos desta forma: Eu te amo, porra!

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Como Ser Solteira

Postado em Atualizado em

Depois de pouco mais de 6 meses de solteirice, posso responder a pergunta sem titubear:

E ai, tá gostando?

NÃO!  Definitivamente não!  Mas, e daí?  Quem se importa?

Certas coisas eu já aprendi.  Tinder, Happn e afins só tem gente doida!  Encontrar alguém lá para a vida é igual a ganhar na loteria.  Valha-me! Tem sido cada história!!!  Qualquer dia posto por aqui algumas experiências bizarras, já até comecei a escrever…

Mas, como sou brasileira e não desisto nunca, ainda acredito no amor.  (ok, também sou pisciana e isso ajuda a construção desta ilusão romântica!).

Algumas coisas estou feliz, pois evolui.  Aprendi que não dependo de ninguém, nem financeira, muito menos emocionalmente.  Consigo viver só! (menos quando aparece uma barata voadora ou o chuveiro elétrico pifa).  Mas, de resto, estou indo SUPERRRRRRR bem.  Me mudei, tratei de pedreiro com apartamento em obra, acertei a mudança, arrumei td, bati o carro e consertei (eu não dirijo mal, só estava agoniada com as coisas na minha cabeça – só para deixar claro!), dei conta de todos os obstáculos sozinha e cá estou eu!  Muito mais cheia de histórias para contar.

É uma evolução diária, tem dias que tenho recaídas (não vou mentir!), mas pouco a pouco vou aprendendo a controlar os meus gatilhos de infelicidade e ajustar minhas expectativas para que as frustrações não sejam superiores a minha vontade de RENASCER.

Uma coisa muito importante que fiz neste processo, com certeza foi minha tatuagem do FODA-SE.  Escrever foda-se nas minhas costelas representa muito para mim.  A cada decepção, a cada expectativa frustrada, o foda-se ressurge como uma mão orientadora de fé e ajusta minha rota.

Recuperei minha religiosidade também.  Consegui voltar a frequentar minha fé, com persistência e resiliência para ir mesmo nos dias que me dá preguiça, que estou cansada ou que tenho um possível blind date oriundo do aplicativo.  Comecei a colocar o compromisso espiritual como prioridade e tenho me sentido mais forte para enfrentar meus desafios pessoais.

Não está sendo fácil!  Não é só a música da Cátia Cega!  Com certeza o mantra do Foda-se grita mais alto que meu cérebro tentando me auto-boicotar.

Cara, desculpa a modéstia, mas sou bonita, inteligente, super em forma, sei cuidar direitinho das pessoas que estão a minha volta, super legal, divertida, animada, independente…  Na boa, quem ta perdendo isso é um babaca rsrsrsrsrs

E sabe o que eu tenho para dizer sobre isso:  FODA-SE ele! ou eles.

Aprendi que preciso me amar antes de mais nada, nem sempre é fácil.  Principalmente quando acordo com uma espinha horrenda no meio da minha cara, mas passo uma base (reboco) e pronto!  O amor por mim retorna!  E viva a Mary Kay!

Malho pelo menos 3 vezes por semana, isso me ajuda a manter minha autoestima em alta, meu corpo sarado e minha mente oxigenada.  Além de combater a lei da gravidade.  Malho em casa mesmo, coloco minhas músicas, canto, danço e faço a minha festa e ninguém tem nada a ver com isso.  Aos sábados ainda vou numa academia de dança para aprender a dançar coladinho.  Tenho um péssimo habito de querer conduzir tudo na minha vida, na dança de salão estou aprendendo a ceder a condução ao parceiro.  Nem sempre é fácil!  Me tornar mais flexível é parte de um processo de melhoria dos meus pontos a desenvolver.  Sim, além de tudo o que eu citei de minhas qualidades fantásticas, conheço exatamente os meus defeitos e não sou nem um pouco apegada a eles.  Faço minhas ginásticas para neutralizá-los.

Saio para todos os lugares que tenho a oportunidade de ir.  Me chamou eu vou.  Não me chamou, eu vou mesmo assim.  Aprendi até a ir para o cinema sozinha!   E digo que é até legal!

Coloquei como meta ir a todos os shows que eu puder ir.  Até porque, nos aplicativos todos os solteiros bonitinhos têm fotos no Rock in Rio e eu estava em casa curtindo a fossa.  Aprendi que nesses shows a vida pode acontecer e se não, pelo menos eu canto, danço e me divirto.

Saio com amigas, mesmo durante a semana depois do trabalho.  Sou livre para fazer o que eu quiser.  Meus filhos já estão grandes, outra vantagem para mim.  Tenho companhias quando queremos (eles e eu) e não tenho quem me prenda quando preciso.

Viagens marcadas, inclusive para a realização de um sonho de criança.  Sim. Vou conhecer gente e lugares diferentes.  Vou viver!

Cursos e trabalho com foco de melhoria contínua… Sempre!

Sim! Eu estou aprendendo a ser solteira.  Não que eu queira isso para a minha vida.  Não quero, não gosto, não curto não ter alguém com quem dividir sonhos.  Mas, enquanto esse alguém não vem, vou fazendo dos meus dias diversão.  Até porque não quero qualquer um, quero alguém que some, que seja cúmplice de verdade e que tenha sonhos que complementem aos meus.  Não estou querendo demais.  Eu sei o que eu quero e isso é uma grande virtude.  Viver de aventuras, só se for com quem eu realmente amo.  Ou então prefiro me aventurar sozinha mesmo.

Ah!  E nunca, jamais, de forma alguma corra atrás de quem não te quer!  Ele sabe o que está perdendo!  Então, se não te quer, FODA-SE!  Se quiser, saberá onde te encontrar e te reconquistará.  Tem um mundo de gente para ser descoberto aí fora.  “O amor pode estar do seu lado!”  Uma hora aparece!

E vamos ao resumo das dicas da Luluzinha para ser uma solteira feliz e sem noias:

1) Redescubra a sua fé
2) Malhe para oxigenar o cérebro e melhorar a autoestima
3) Dance, dance muito.  Cante, espante todo os pensamentos negativos com muita alegria
4) Saia bastante, tenha sua agenda lotada de coisas para fazer.  Se ocupe!
5) Meta a cabeça nos estudos e no trabalho (mas com moderação rsrsrs)
6) Marque aquela viagem dos seus sonhos.  Conheça gente e lugares diferentes
7) Seja plena (ou pleno) absolutamente todos os dias, quando você menos esperar, o amor acontece!  (Tenho fé!)
8) A sua felicidade não está em outra pessoa além de você mesmo.  Não busque alguém para te fazer feliz e sim para que sejam MAIS felizes juntos.

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

A Fábula dos Barcos e os Remos

Postado em Atualizado em

Uma vez, há mais de 20 anos, escutei de um casal que estava casado há 30 anos que o casamento era como dois barcos a remo num mar com marolas, onde o cuidado consistia em sempre zelar para que um barco nunca sofresse um desvio provocado por uma marola e se distanciasse do outro. Que os remos sempre pudessem ser usados para puxar um ao outro. Sempre.

Achei lindo. Poético. Mas, a vida real não é um mar com marolinhas! É uma ilha selvagem, cheia de aventuras, desventuras e decisões árduas a serem tomadas, com embates e contrapontos reais. Vontades e livre arbítrios a serem respeitados.

Sabe aquele lance de que quem ama, liberta. Pois é. Quando a rotina aprisiona, a infelicidade se traduz na falta de perspectivas e as expectativas e planos para o futuro já não coincidem, é o momento de deixar o egoismo de lado e liberar a outra parte para encontrar o que lhe falta para ser feliz.

Difícil dizer que não deu certo. O dar ou não dar certo é tão relativo. Deu certo pelo tempo que tinha que dar. Rendeu frutos, resultados, viagens, amigos, união e principalmente uma vida em comum que não irá se apagar.

Como dia a música “Tudo bem quando termina bem”.

Algumas respostas vão sendo construídas aos poucos, não teremos todas. Mas, algumas com certeza já sabemos. Outras nunca saberemos responder. Mas, o mais importante do que as respostas são as ações, o respeito mútuo que nutrimos e nutriremos, o carinho e o cuidado que permanecerá.

A vida que segue, que seguiu ou que seguirá. O tempo, mais do que nunca, trará suas coisas aos seus devidos lugares.

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Desconstruindo o Amor em 10 passos

Postado em Atualizado em

Recentemente uma amiga muito querida foi pega de surpresa com o pedido de separação de seu companheiro.  As razões menos óbvias possíveis, o inesperado pedido de desconexão abruptamente teve que assumir a rotina.

O relacionamento foi acontecendo… tímido e constante.  Há cerca de 1 ano e meio atrás.  Subitamente, através de uma gravidez não planejada, o amor floresceu…

Foi intenso, como a vida tem que ser.

Então, num certo dia a conversa é: “Acho melhor a gente dar um  tempo para o nosso bem.”

Bem de quem, meu amor???? Decisão unilateral não significa querer o bem da outra pessoa.  Isso em gestão tem outro nome, autoritarismo!  Cada  um seguir seu caminho…  Até parece que o amor é uma tomadinha que a gente desliga né…

Ok…  Isso é ruim…  Mas tem coisa pior:  Quando a criatura excede todos os limites dando esse recado através de um Cosplay imaginário de Mestre dos Magos…  Simplesmente Some!!!!!!  Sabe aquela parada adolescente de querer deixar cair no esquecimento para não precisar assumir suas decisões… POZÉ!!!!

E todas as mensagens, juras, promessas????  Onde foi parar o amor????  Nada acaba de repente. Ou tudo foi mentira?

Relaxa, amore!  Homens só chegam ao amadurecimento pleno aos 50 anos.  Muitas vezes, são felizes nas suas infelicidades e preferem suas “Miserables Lives” do que arriscar a mudança, mergulhar no amor.

Mas, e aí?  Como fica o lado que não decidiu…. Na impossibilidade de desligar a tomada do amor e obviamente na necessidade de não abrir mão do amor mais verdadeiro, o amor próprio, faz como para aceitar e arrancar esse sentimento do peito?

Ah… Quem nunca sofreu por amor que atire a primeira pedra, melhor seria atirar uma flor…

O amor precisa ser desconstruído…  Na marra, na tora, na força e no fórceps.  But how?

  1. Antes de qualquer coisa.  Arrependa-se por ter feito, arrepender-se por não ter tentando traz uma culpa enorme.  O orgulho é que afasta as pessoas, não é a distancia.  Então, antes de iniciar a desconstrução, que já adianto, será dolorosa, exponha-se uma última vez.  Sim!  Não é vergonha nenhuma dizer o que ainda sente.  Foda-se a reciprocidade. Diga o que sente de verdade.  Sem rodeios, sem floreios e sem desespero.  Sede firme e entenda que há uma tênue linha de limite entre a exposição necessária e a humilhação.  Portanto, não perca o equilíbrio para não ir para o lado errado.
  2. Obviamente se o passo anterior não tiver surtido efeito, você estará seguindo adiante…  O segundo passo é dar um tempo para si.  Recicle-se.  Enlute-se.  É importante esse luto para o auto-conhecimento.  Sofra, chore, grite, veja filmes de drama e escute músicas de sofrência. Só não encha a cara…  Isso realmente não resolve.  Só te fará se tornar a vitima da situação.  Assuma-se como protagonista da sua vida.  Protagonistas vitimizadas não dão IBOPE.  Protagonistas não se permitem o papel de coadjuvante em sua própria existência. Sofrer faz parte! Mas, faça isso somente por até 4 semanas.  Por que 4 semanas?  Simples, a TPM.  Você irá perceber que sofrer por amor é opção, por menstruação não.  Muito melhor quando quem tem as rédeas é você, não?
  3. Distraia sua cabeça.  Saia, passeie, faça turismo, viaje, vá dançar, faça uma academia.  Libere endorfina.
  4. Mude…  A mudança interior é complicada pacas.  Tome um atalho e comece pelo exterior mesmo.  O amor próprio tem que ser cultivado.  Pessoas felizes são mais amadas. Exalam energias positivas e atraem atenção… e mais amor.  Positivize-se!
  5. Se houver oportunidade, ame muito.  Experimente-se. A vida não acaba com o fim de um amor.  Pode ser a força do destino liberando seu caminho para um amor ainda maior. Vale até perfil no Tinder, ParPerfeito, Match e etc…  Conheça gente!
  6. Se ainda houver necessidade de contatos com o ex-amor, veja se essa relação é saudável para você.  Se for para ficar sofrendo a cada vez que o vir, é melhor se afastar de vez.  Apague os vestígios deste amor.  Não leia mensagens antigas.  Não se encontre, não o veja…  Se necessário, bloqueie nas redes sociais.  Não ver faz cair no esquecimento.  Ok que às vezes não cai tão rápido assim.  Mas, garanto.  Na vida tudo passa.
  7. Veja filmes alegres, leia, faça atividades ao ar livre, ande de bicicleta, de barco e de avião.
  8. Ocupe sua mente com algo importante.  Comece um curso, um novo hobby, um livro, uma meditação.  Ou até mesmo enfie a cabeça no trabalho…  Só tente não pensar.
  9. Nada tá funcionando!? Tá na hora de atitudes desesperadas no estilo adolescente.  Faça uma lista de defeitos do dito cujo.  Repita-se milhões de vezes como um mantra: ELE NÃO ME MERECE. Repita até que seu cérebro incorpore e torne esse pensamento num axioma.  Numa atitude mais desesperada ainda, resignifique seu ex-amor.  Odeie com toda a força todos os seus defeitos, faça com que só eles apareçam.  É escroto isso!  Temos que odiar para matar um amor!  Mas, estamos falando de resguardar o mais puro dos amores: o amor próprio.  Então estaremos perdoados.
  10. Reinvente-se…  Faça um reset de si.  Desconstrua e se reconstrua muito melhor.  Sofrimento é que faz a gente endurecer a carne e nos preparar para as porradas da vida. Pode até demorar, mas um dia vai passar…  A borboleta sofre no casulo para se transmutar numa beleza estonteante e VOAR!  Faça a sua metamorfose, liberte-se!

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Muito Bela, Pouco Recatada e Nada (Absolutamente Nada) do Lar!

Postado em Atualizado em

As polêmicas sempre aparecem, as pessoas sempre se identificam com um estereótipo vendido pelas mídias…  A mulher magra, inteligente, bonita e fofa…  E daí se eu não for assim!  E daí se eu quiser continuar sendo eu mesma.

ATO 1:  Muito Bela

Há muito precisei trabalhar minha auto-estima.  Sempre brigando com a balança.

Lembro de aos 14 anos, no auge da minha adolescência, numa boite domingueira dos anos 90, escutar 2  rapazes muito bonitos falarem para mim:  “Que rosto lindo, pena que é gorda!”…

Lógico que como toda adolescente noiada, cortei café, almoço e janta para não cortar os pulsos!

Mas, isso passa!  Aliás, se tem uma coisa que acontece na vida, é que tudo passa!

A gente passa a aceitar mais (um pouco mais, tá certo!) como somos e trabalhar em nós mesmo a auto-estima. Ou procurar urgente soluções para o que nos incomoda.

Hoje sei que sou bela.  Na minha beleza com rugas, cabelos brancos e pneuzinhos e celulites espalhados pelo corpo.  Cada dia que me sinto incomodada com algo, resolvo…  Vou ao cabeleireiro, faço uma dieta, frequento a academia ou até mesmo aplico um botox.  Sou bela, enquanto me achar bela.

 

ATO 2: Pouco Recatada

Falo alto, canto enquanto dirijo, no banho ou quando quero, falo palavrão e ligo o disque-Foda-se de vez em quando, não me faço de fofa, nem bajulo a todo mundo.  Sou do estilo ou ame ou odeie.

Sou eu mesma!

Ah… Ok…

Meu pai nunca deixou eu sair a noite sem que ele soubesse (E APROVASSE) com quem.  Apesar de ter passado para faculdade em SP, meu pai não me deixou ir para não ficar sozinha no meio de muitos homens (engenharia mecatrônica).

Nunca fiquei bêbada, aliás eu nem bebo…

Meus namorados, conto talvez em uma só mão.

Não uso roupa curta (até pq meu corpo não permite), sei conversar de inúmeros assuntos e até tenho a educação de disfarçar e ser uma excelente DAMA.  Sou quase recatada… mas, não muito.

Dane-se!!!  Prefiro ser louca do que ser triste!!!!!

Amo ser eu!  Falando alto, sarcástica, engraçada e às vezes rude!  Onde está escrito que eu, euzinha, tenho que ser como os outros querem?

 

ATO 3: Nada (Absolutamente Nada) do Lar

Desde muito nova, meu pai nunca permitiu que eu fizesse nada em casa, no máximo era a louça da janta 2 vezes por semana.  Certo ou errado, o discurso dele era que eu não podia perder tempo de estudo.  Que tinha que aproveitar meu potencial, minha inteligência e facilidade de aprender…  Que tinha que ser preparada para trabalhar  e ser independente.

Nunca cozinhei, nunca lavei, passei ou organizei minha casa.

Sempre trabalhei.  Tive 2 filhos e obvio tive ajuda, muita ajuda!  Minha mãe, minha avó, minhas tias, meu pai…  sempre estiveram por perto quando as minhas competências nada desenvolvidas para afazeres domésticos comprometia a organização e a minha rotina.

Foquei para me tornar independente.  Aos 27 anos já era executiva de banco.  Aos 35 já me tornava diretora.

Quando me separei, consegui me manter sozinha com meus dois filhos, sem comprometer a minha independência.

Me viro nos trinta, nos quarenta e nos 50, só não me peça para arrumar e ser do lar.  Enlouqueço, de verdade!

 

Não sou nada, absolutamente nada do lar, sou independente e tenho orgulho disso!

 

ATO FINAL: A Mulher Perfeita

A mulher perfeita, ideal e sem igual é aquela que somos por dentro.  Aquela que pensa e age com sua natureza, não se subjuga ao que lhe ofende e a que se sente feliz com suas escolhas.

Sou a mulher perfeita para mim, se o deixar de ser, me transformo novamente em mim e fim!

 

#belarecatadaedolar

 

Siga-me nas Minhas Redes Sociais e Acompanhe Meu Conteúdo

Siga-me no Facebook
Siga-me no Linkedin
Siga-me no YouTube
Siga-me no Twitter
Siga-me no Instagram

Contribua com Nosso Blog

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Os Erros mais comuns dos Recém-solteiros

Postado em Atualizado em

Sobre esse texto:

Há alguns anos atrás eu criei um site chamado ME SEPAREI E AGORA?   O site visava dar dicas e tentar ajudar a quem estava sozinho por qualquer razão, principalmente decorrente de uma separação.  Este site tinha vários textos e esse texto sempre foi o mais lido e comentado.

Qualquer hora falo mais do projeto ME SEPAREI E AGORA? Agora aproveite a excelente leitura!

Vale a pena conferir!!!

Os Erros mais comuns dos Recém-solteiros por Carolina Kürsch

Pois é, meu caro leitor. Agora você está solteiro. Não bastasse o infortúnio de meses ou anos que foram por água abaixo, agora você se vê nessa difícil tarefa de recomeçar do zero.

Independente do que vá fazer a partir de agora, entenda: estar infeliz é natural. Portanto: não entre em pânico.
Este é o momento de ligar para seus amigos e amigas e dizer-lhes o quanto ele te sufocava e o quanto você tentou que desse certo. Diga a eles que não era pra ser, que seu mapa astral e sua astróloga já diziam que seus signos não combinavam. Diga que você sempre soube.

Depois de toda lamentação e tristeza que esta fase pode proporcionar, reserve alguns minutos para avaliar a situação. Quando digo avaliar a situação não estou sugerindo que faça isso com uma Tequila na mão, e sim que o faça no silêncio do seu lar. Um dos primeiros sintomas da recém-solteirice é o desespero por badalação e entrar em campo novamente atirando para todos os lados. Portanto, deixe-me lhe dar um conselho valioso: entenda seu momento de luto.

Com isso não quero dizer que você deva “curtir a fossa”, soluçar pelos cantos ou se entupir de chocolate, mas sim avaliar as coisas com uma outra perspectiva. Sei que estar psicologicamente preparado para levantar a cabeça e dar a volta por cima não é tarefa das mais fáceis e antes de qualquer coisa você deverá entender o que passou, para então projetar-se no futuro. Entenda que não existe felicidade sem tristeza e os dois sentimentos estão intimamente ligados nas nossas vidas. Para dar valor a um momento de felicidade, antes você deve ter passado por momentos de tristeza e talvez isso seja essencial para seu amadurecimento.

No intuito de ajudá-lo a superar essa difícil fase e alertá-lo dos perigos que ela poderá trazer a seu estado emocional, listei alguns erros mais comuns cometidos por recém-solteiros. São eles:

  1. Tentar reatar.
    Isso só piora as coisas. É difícil e frustrante perceber que tudo que havia sido construído acabou, mas sua felicidade não depende do seu ego ferido. Se vocês dois tentaram diversas vezes ficar juntos e mesmo assim não conseguiram, pare de tentar. Simplesmente não era pra ser.
  2. Se precipitar.
    Só porque você acabou de conhecer um homem ou mulher interessante, não quer dizer que ele ou ela será seu próximo amor. Achar que se apaixonou novamente pela primeira pessoa que lhe der carinho não é a solução para o seu desespero emocional.
  3. Auto-piedade.
    As lágrimas têm a excelente propriedade de libertar-nos da angústia, mas se você for do tipo que chora em público, por favor, pare já com isso. Neste momento você tem o alvará de chorar bastante no ombro dos seus amigos caso precise deste desabafo, mas não abuse. Além do problema ser somente seu, as pessoas não serão obrigadas a consolarem as suas lamúrias a qualquer momento.
  4. Ser ranzinza.
    O amor verdadeiro existe. Esbravejar e dizer por aí aos quatro ventos que não acredita mais no amor não te tornará mais forte.

E por fim, concentre-se em coisas que valham a pena, como seu trabalho, seus filhos, seus hobbies, ou qualquer atividade que lhe dê prazer físico e mental. Relaxe, pois o tempo curará todas as feridas. Ele é o senhor da razão.

 

*******************************************************************************************************************

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Para doar R$ 5,00

Para doar R$ 10,00

Para doar R$ 25,00

Para doar R$ 50,00

Para Doar R$ 100,00