vida feliz

Retrospectiva 2018

Postado em

Há alguns anos, tenho no bloco de notas do celular um guia de como foram meus anos para conseguir fazer uma analogia ou criar um possível algoritmo de previsão de como será o ano. Ainda não consegui nem uma coisa nem outra:

2003 ruim

2004 bom

2005 bom

2006 razoável

2007 ruim

2008 muito bom

2009 bom

2010 péssimo

2011 muito bom

2012 bom

2013 razoável

2014 ruim

2015 péssimo

2016 razoável

2017 razoável

2018 altos e muito vales, mais baixos que altos

Obviamente, todo início de ano, vou na minha personal macumbator. Esse ano, ela não me enganou. Ela me adiantou muita coisa que eu ia ter que passar esse ano. Ok, que foi um pouquinho (muito!!!!!) pior. Mas já valeu para me preparar para o tsunami.

Tive alguns refrescos, mas no geral, foi um ano muito estranho. Muito atípico! Realizei o grande sonho da minha vida: ir a Roma e de quebra ainda conheci Paris. Tive Nutella (filhote de Maya), que horas parece bom, outras muito ruim. Mas, para acabar com minha motivação neste ano, tive grandes desafios. Os dois piores foram a depressão que me pegou na curva em maio e meu filho que saiu de casa em julho.

A impressão que eu tinha era que cada vez que um caminhão me atropelava e eu conseguia me reerguer, vinha outro logo em seguida e me derrubava de novo.

Que ano merda!

Já estou na contagem regressiva para acabar. Nem vou falar muito das minhas desgraças, mas há uma semana atropelei um cara que se jogou na minha frente para me assaltar. Daí apareceu meu anjo da guarda, que por sinal era um gato, armado e me salvou. Talvez o ano tivesse terminado ainda pior.

Então, como eu acredito em provações, em evolução espiritual e necessidade de aprendizagem do espirito, agradeço! Sim, agradeço a cada uma das muitas lágrimas que derrubei, de quantas vezes me superei quando achei que ia me entregar, de não ter desistido de achar um amor, de persistir, de lutar para dar o melhor para meus filhos (mesmo para o filho que decidiu sair do meu ninho) e de aprender!

Tá acabando. A personal macumbator no início do ano me disse que já no início de 2019 as coisas melhorariam para mim. Eu tenho fé que isso irá acontecer. Não desisto de mim tão fácil.

Quanto ao meu coração de gelo, tão magoado e maltratado (snif), tá calejado e preparado para se reaquecer assim que for realmente tocado.

Quando meus filhos eram pequenos e se machucavam, eu dizia para eles falarem um puta que pariu bem forte, de dentro da alma, que a dor passava. Dava sempre certo, eles paravam de chorar, não sei se pq passava mesmo a dor ou por conta da diversão de falar um palavrão cabeludo. Eu, como já falo palavrão a toda hora mesmo, fiz a melhor coisa que podia fazer esse ano: a minha tatoo do foda-se nas costelas. Ela realmente esteve comigo, marcando minha pele nos meus maiores problemas, me lembrando que se eu não tenho culpa do que estava acontecendo na minha vida, eu tinha responsabilidade dobrada de seguir em frente e continuar lutando.

E assim, com imensa gratidão no peito, eu grito, forte e do fundo da minha alma:

2018, VAI SE FUDER, PORRA!

Anúncios

A Natureza da Dor

Postado em Atualizado em

O menino viu um casulo caído no chão. Dentro dele, uma borboleta tentava, sem sucesso, sair de sua casca, ávida pela sua nova vida enquanto borboleta.

Agoniado com o sofrimento da borboleta, o menino pegou uma vareta e começou a ajudá-la. Em poucos minutos ela se livrou daquele fardo. A ajuda do menino lhe economizou algumas horas de esforço, sofrimento e dores.

Porém, com a economia de tempo e de força para conseguir remover sozinha o seu casulo, a borboleta ficou insuficientemente forte e preparada para voar.

Passou o resto de sua vida no chão, escapando de ser pisada, pois sua asa não conseguiu ser preparada para voar. Não ficou forte o suficiente pela falta de esforço na saída do casulo.

Sim… é uma história forte e triste, mas que consegue nos passar alguns ensinamentos.

Mudar nossa natureza não é fácil.  Dói pra cacete!

Será que não devemos passar pela metamorfose em nossa vida para nos despir de conceitos falhos, que nos levam à erros durante nossa existência.  Mas dói, né….  E como dói!

Acredito que a cada nova fase, nos é dada a oportunidade de nos transmutarmos, entrarmos num novo casulo e ressurgir para uma nova vida, numa nova conceituação de vida.  Ressignificar pensamentos e ajustar rotas erradas que não nos levaram a lugar nenhum.

Agora entendo muito bem, que minha maior fraqueza sempre foi ficar sozinha.  Desde adolescente, esse pavor me rondava. Esse meu medo me fez escolher relacionamentos onde eu depositava no outro a responsabilidade de me fazer feliz.  Sempre contava que alguém fosse me tirar do casulo.  Saía enfraquecida, assim como aquela borboleta.

Machuquei e fui machucada.  Tive que sofrer para entender que, na verdade, o que me falta é aprender a ficar feliz comigo.  Estar bem comigo, significa dizer que, quando eu estiver 100% pronta, o relacionamento que eu tiver para durar, terá um vetor contrário do que sempre teve:  Eu estarei bem, feliz por mim e para mim e essa felicidade externalizará para quem estiver comigo.  Essa pessoa não terá a responsabilidade de me fazer feliz, somente de entrar nessa minha atmosfera de amor. 

No auge dos meus 41 anos, tenho o DESorgulho de dizer que tive 4 relacionamentos importantes para mim ao longo da minha vida.  Os 4 eu me frustei demais.  Recentemente, isso tem pesado.  Pesado tanto, que resolvi tentar me mudar, passar por uma metamorfose dos meus sentimentos, como a borboleta que sai do casulo.

Há 2 meses venho repensando em tudo isso. Tá pesado, doendo, difícil, mas não posso ser ajudada nesse momento.  Conseguirei sair sozinha do casulo, fortalecida e segura para poder voar.

Uma amiga me disse que minhas restrições (minha lista de requisitos para meu crush) podem afastar de quem pode me fazer feliz.  Mas aí está justamente o ponto.  Essa lista está me mantendo a uma distância de segurança de paixões erradas.  Ou quiçá das paixões certas no momento errado.

Notei que, o que realmente quero, ou pelo menos acho que quero, não é bom para mim neste momento.  A partir deste meu entendimento, melhor não me apegar a ninguém mesmo.  A substituição já me mostrou mais de uma vez que não dá certo.

Talvez eu esteja vivendo mais intensamente a minha fase solteira agora.  Isso talvez acabe afastando pessoas super legais, que não estejam no mesmo momento que eu. Quando eu acho que pode ser uma coisa legal, me apego nos defeitos que enxergo e me afasto da pessoa.  Já me redimo dos mal entendimentos que possa causar, estou saindo do casulo agora, não quero magoar, só quero me libertar.

Fugir da minha natureza não está sendo fácil.  Mas se alguma coisa na vida é fácil, certamente estamos fazendo do jeito errado.  O que é bom, chega com sacrifício e esforço.  É em cima exatamente deste conceito que vou endossar meu comportamento e minhas atitudes, mudando minha natureza original e tentando viver a vida de uma nova forma.  Aprendendo a estar sozinha e feliz comigo.

A única coisa que desejo neste momento é que eu não descubra um mundo mais feio ainda fora deste meu novo casulo que estou prestes a eclodir.

No fundo, eu acho que o que vou precisar logo, logo, é de colo…  Ou será que já não preciso neste momento?

❤ ❤ ❤

Conselho do Dia: Acostume-se a perder!

Postado em Atualizado em

Hoje vi uma postagem de uma amiga que me fez refletir sobre perdas…  Sempre nos fazem sofrer, quase nunca sabemos lidar com elas, mas deveríamos…

Você perderá o amor da sua vida, o emprego dos seus sonhos, a viagem perfeita, a casa maravilhosa, a roupa deslumbrante, o corpo sarado, a memória infalível, o sono, a saúde de ferro, muitas vezes, a paz, o equilíbrio e até mesmo a razão!

Você perderá aquela ligação que tanto esperava, o ônibus que vai passar direto, muito dinheiro, o celular e as chaves uma centena de vezes…

Perdemos diariamente. Somos derrotados às vezes diversas vezes no dia.  Isso já deveria nos deixar calejados…  Mas sofremos.  Sofremos muito mais que deveríamos.  Mas, estas perdas são transitórias, desde que saibamos lidar com elas – quase nunca sabemos.

Acho que a vida nos prepara para isso desde que somos bem pequenos, mas não nos damos conta… Há uma mensagem subliminar quando perdemos nossos dentes de leite. Nós os perdemos bem jovens e logo vieram outros para substituir, mais fortes, maiores e mais bonitos. O desconforto foi passageiro. Vivemos isso tantas vezes na infância, a cada queda de um novo dente.  Mas, obviamente não nos damos conta desta super dica, uma preparação para a vida adulta e sua sucessão de perdas.

Enquanto adultos, deveríamos lembrar disso diariamente: não importa qual seja a nossa perda, sempre virá o substituto, quase sempre muito melhor do que o anterior. Basta esperar.

Precisamos nos acostumar com isso. As perdas fazem parte do nosso crescimento.  O problema é a nossa velha mania do imediatismo.  Receita infalível para nos lascarmos! E como nos lascamos… O tempo todo!!!!

Precisamos saber de uma regra básica da vida:  AS PERDAS SEMPRE SERÃO RECOMPENSADAS E/OU SUBSTITUÍDAS.

Sabe o por quê? Simples. O amor é assim… Por mais que você o perca, ele sempre ressurgirá numa forma diferente!  Como ele pode se apresentar de inúmeras maneiras, precisamos deixar o amor sempre nos guiar.  O amor pode estar do nosso lado e de formas inusitadas.  O nosso sofrimento excessivo pode nos cegar e nos tolir de encontrar a felicidade.

Por isso, Perca tudo, sofra, chore (o chorar faz parte) mas, recupere-se logo, ame. Lembre-se de nunca perder a capacidade de amar! Isso reciclará a sua vida e amenizará a sua dor!

#keepthefaith #mantenhaafe #acredite #amor

Conselho – Adilson Bispo

Deixe de lado esse baixo astral
Erga a cabeça
Enfrente o mal
Que agindo assim
Será vital para o seu coração

É que em cada experiência
Se aprende uma lição
Eu já sofri por amar assim
Me dediquei mas foi tudo em vão

Pra que se lamentar
Se em sua vida pode encontrar
Quem te ame com toda força e ardor
Assim sucumbirá a dor (tem que lutar)

Tem que lutar
Não se abater
Só se entregar
A quem te merecer

Não estou dando nem vendendo
como o ditado diz
o meu conselho é pra te ver, Feliz