autoestima

Boda de Origami

Postado em Atualizado em

O casamento é um marco importante na vida de todo mundo que o vivencia. De tão importante, a cada ano que se passa, convencionou-se nomes para as bodas de acordo com a evolução do casal.

Boda vem se “votum”, que significa promessa.

“A importância das bodas de casamento: A tradição de se comemorar as bodas de casamento surgiu em povos antigos da Alemanha que na época, tinham o costume de dar uma coroa de prata para casais que chegassem aos 25 anos de casamento e uma coroa de ouro para os casais que completassem 50 anos de casamento. Mas com o passar do tempo, a importância atribuída ao casamento foi aumentando de tal maneira que foram criadas outras datas de anos de casamento (1, 2, 3 anos). Segundo estudiosos, celebrar bodas de casamento é um sinal de consistência e maturidade do amor existente no casal e de seu compromisso com Deus.” (Revista iCasei)

No primeiro ano, por exemplo, se chama de Boda de Papel.

A boda de papel é sobre exatamente escrever esse destino, a primeira página da vida!

A analogia: O papel é frágil, rasga a toa, mas é nele que podemos escrever nossa história.

A Associação é perfeita, digo isso porque já passei por dois casamentos. Com certeza o primeiro ano diz muito do casal, como ele vai reagir às primeiras dificuldades e quão próximos estarão nas primeiras desavenças.

Além disso, os nomes das bodas são dados muito em função da resistência dos materiais, quanto mais tempo dura o casamento, mais ele é associado a um item mais durável.

Bodas de casamento anuais (oficiais):

1 Bodas de Papel.
2 Bodas de Algodão.
3 Bodas de Trigo ou Couro.
4 Bodas de Flores e Frutas ou Cera.
5 Bodas de Madeira ou Ferro.
6 Bodas de Perfume ou Açúcar.
7 Bodas de Latão ou Lã.
8 Bodas de Papoula ou Barro.
9 Bodas de Cerâmica ou Vime.
10 Bodas de Estanho ou Zinco.
11 Bodas de Aço.
12 Bodas de Seda ou Ônix.
13 Bodas de Linho ou Renda.
14 Bodas de Marfim.
15 Bodas de Cristal.
16 Bodas de Turmalina.
17 Bodas de Rosa.
18 Bodas de Turquesa.
19 Bodas de Cretone ou Água-marinha.
20 Bodas de Platina.
21 Bodas de Zircão.
22 Bodas de Louça.
23 Bodas de Palha.
24 Bodas de Opala.
25 Bodas de Prata.
26 Bodas de Alexandrita.
27 Bodas de Crisopázio.
28 Bodas de Hematita.
29 Bodas de Erva.
30 Bodas de Pérola.
31 Bodas de Nácar.
32 Bodas de Pinho.
33 Bodas de Crizo.
34 Bodas de Oliveira.
35 Bodas de Coral.
36 Bodas de Cedro.
37 Bodas de Aventurina.
38 Bodas de Carvalho.
39 Bodas de Mármore.
40 Bodas de Rubi ou Esmeralda.
41 Bodas de Seda.
42 Bodas de Prata Dourada.
43 Bodas de Azeviche.
44 Bodas de Carbonato.
45 Bodas de Platina ou Safira.
46 Bodas de Alabastro.
47 Bodas de Jaspe.
48 Bodas de Granito.
49 Bodas de Heliotrópio.
50 Bodas de Ouro.
51 Bodas de Bronze.
52 Bodas de Argila.
53 Bodas de Antimônio.
54 Bodas de Níquel.
55 Bodas de Ametista.
56 Bodas de Malaquita.
57 Bodas de Lápis Lazuli.
58 Bodas de Vidro.
59 Bodas de Cereja.
60 Bodas de Diamante ou Jade.
61 Bodas de Cobre.
62 Bodas de Telurita.
63 Bodas de Sândalo ou Lilás.
64 Bodas de Fabulita.
65 Bodas de Ferro.
66 Bodas de Ébano.
67 Bodas de Neve.
68 Bodas de Chumbo.
69 Bodas de Mercúrio.
70 Bodas de Vinho.
71 Bodas de Zinco.
72 Bodas de Aveia.
73 Bodas de Manjerona.
74 Bodas de Macieira.
75 Bodas de Brilhante ou Alabastro.
76 Bodas de Cipreste.
77 Bodas de Alfazema.
78 Bodas de Benjoim.
79 Bodas de Café.
80 Bodas de Nogueira ou Carvalho.
81 Bodas de Cacau.
82 Bodas de Cravo.
83 Bodas de Begônia.
84 Bodas de Crisântemo.
85 Bodas de Girassol.
86 Bodas de Hortênsia.
87 Bodas de Nogueira.
88 Bodas de Pêra.
89 Bodas de Figueira.
90 Bodas de Álamo.
91 Bodas de Pinheiro.
92 Bodas de Salgueiro.
93 Bodas de Imbuia.
94 Bodas de Palmeira.
95 Bodas de Sândalo.
96 Bodas de Oliveira.
97 Bodas de Abeto.
98 Bodas de Pinheiro.
99 Bodas de Salgueiro.
100 Bodas de Jequitibá ou Cânhamo.

Ok! Tudo lindo e perfeito! ♥️♥️♥️

Concordo com tudo, afinal de contas, sou pisciana. Mas, e o outro lado?

Emendei um casamento no outro e praticamente não vivi a solterice entre os 2 primeiros casamentos. Só um carnaval em Salvador e algumas saídas noturnas, nada muito extenso. Até porque, logo que me separei, comecei a namorar e, quando esse namoro entrava em crise, tive sorte de encontrar outros ombros para me consolar.

Porém, ao término do segundo casamento, minha vida tem sido completamente diferente. Tantas novidades me circundam, tantas novas situações, medos e certezas se misturando dia a dia, até pela maturidade. Foram 13 anos no primeiro casamento e estava com 30 anos quando me separei pela primeira vez. Fiquei 10 anos casada no segundo casamento e, portanto, saí dele com 40 anos.

Esse mês completo exatamente 1 ano de separada. Realmente não consigo entender porque não temos nomes de bodas de separação de acordo com a evolução da nossa vida no novo estado civil.

Com certeza, se o primeiro ano de casamento é Boda de Papel, acabo de completar minha Boda de Origami, com 1 ano de separada.

Sim! De uma folha em branco, estou me transformando em coisas inimagináveis. Estou me recriando, renascendo, aprendendo a me curtir e entendendo que eu até me faço bem.

Há bem pouco tempo atrás eu acreditava que não conseguiria viver sozinha. Hoje sei que mais que isso, eu conseguiria viver só e ainda ter certo prazer nisso.

Consegui entender que, para ser feliz e fazer alguém feliz, é necessário que a nossa dependência seja exclusivamente de nosso amor próprio. A partir disso, conseguiremos nos fazer feliz e a quem se aproximar de nós.

Talvez algumas coisas eu ainda não tenha evoluído o bastante, mas o que seria de nós se não vivêssemos em busca da melhoria contínua na nossa vida?

Bom que a minha boda de origami ainda não terminou, já já me transformo num tsuru e aí vou fazer processo seletivo para quem vou dar meu coração. Esse processo será mais rigoroso pq será um cara de muita sorte! 🍀

Anúncios

A Natureza da Dor

Postado em Atualizado em

O menino viu um casulo caído no chão. Dentro dele, uma borboleta tentava, sem sucesso, sair de sua casca, ávida pela sua nova vida enquanto borboleta.

Agoniado com o sofrimento da borboleta, o menino pegou uma vareta e começou a ajudá-la. Em poucos minutos ela se livrou daquele fardo. A ajuda do menino lhe economizou algumas horas de esforço, sofrimento e dores.

Porém, com a economia de tempo e de força para conseguir remover sozinha o seu casulo, a borboleta ficou insuficientemente forte e preparada para voar.

Passou o resto de sua vida no chão, escapando de ser pisada, pois sua asa não conseguiu ser preparada para voar. Não ficou forte o suficiente pela falta de esforço na saída do casulo.

Sim… é uma história forte e triste, mas que consegue nos passar alguns ensinamentos.

Mudar nossa natureza não é fácil.  Dói pra cacete!

Será que não devemos passar pela metamorfose em nossa vida para nos despir de conceitos falhos, que nos levam à erros durante nossa existência.  Mas dói, né….  E como dói!

Acredito que a cada nova fase, nos é dada a oportunidade de nos transmutarmos, entrarmos num novo casulo e ressurgir para uma nova vida, numa nova conceituação de vida.  Ressignificar pensamentos e ajustar rotas erradas que não nos levaram a lugar nenhum.

Agora entendo muito bem, que minha maior fraqueza sempre foi ficar sozinha.  Desde adolescente, esse pavor me rondava. Esse meu medo me fez escolher relacionamentos onde eu depositava no outro a responsabilidade de me fazer feliz.  Sempre contava que alguém fosse me tirar do casulo.  Saía enfraquecida, assim como aquela borboleta.

Machuquei e fui machucada.  Tive que sofrer para entender que, na verdade, o que me falta é aprender a ficar feliz comigo.  Estar bem comigo, significa dizer que, quando eu estiver 100% pronta, o relacionamento que eu tiver para durar, terá um vetor contrário do que sempre teve:  Eu estarei bem, feliz por mim e para mim e essa felicidade externalizará para quem estiver comigo.  Essa pessoa não terá a responsabilidade de me fazer feliz, somente de entrar nessa minha atmosfera de amor. 

No auge dos meus 41 anos, tenho o DESorgulho de dizer que tive 4 relacionamentos importantes para mim ao longo da minha vida.  Os 4 eu me frustei demais.  Recentemente, isso tem pesado.  Pesado tanto, que resolvi tentar me mudar, passar por uma metamorfose dos meus sentimentos, como a borboleta que sai do casulo.

Há 2 meses venho repensando em tudo isso. Tá pesado, doendo, difícil, mas não posso ser ajudada nesse momento.  Conseguirei sair sozinha do casulo, fortalecida e segura para poder voar.

Uma amiga me disse que minhas restrições (minha lista de requisitos para meu crush) podem afastar de quem pode me fazer feliz.  Mas aí está justamente o ponto.  Essa lista está me mantendo a uma distância de segurança de paixões erradas.  Ou quiçá das paixões certas no momento errado.

Notei que, o que realmente quero, ou pelo menos acho que quero, não é bom para mim neste momento.  A partir deste meu entendimento, melhor não me apegar a ninguém mesmo.  A substituição já me mostrou mais de uma vez que não dá certo.

Talvez eu esteja vivendo mais intensamente a minha fase solteira agora.  Isso talvez acabe afastando pessoas super legais, que não estejam no mesmo momento que eu. Quando eu acho que pode ser uma coisa legal, me apego nos defeitos que enxergo e me afasto da pessoa.  Já me redimo dos mal entendimentos que possa causar, estou saindo do casulo agora, não quero magoar, só quero me libertar.

Fugir da minha natureza não está sendo fácil.  Mas se alguma coisa na vida é fácil, certamente estamos fazendo do jeito errado.  O que é bom, chega com sacrifício e esforço.  É em cima exatamente deste conceito que vou endossar meu comportamento e minhas atitudes, mudando minha natureza original e tentando viver a vida de uma nova forma.  Aprendendo a estar sozinha e feliz comigo.

A única coisa que desejo neste momento é que eu não descubra um mundo mais feio ainda fora deste meu novo casulo que estou prestes a eclodir.

No fundo, eu acho que o que vou precisar logo, logo, é de colo…  Ou será que já não preciso neste momento?

❤ ❤ ❤