Dicas

Olhe para Frente

Postado em Atualizado em

Você vai se arrepender de várias coisas na vida, vai perder muito mais que vai ganhar, vai se frustar, se apaixonar, sofrer de amor e ter dores mais que inimagináveis. Não importa… Olhe sempre para frente.

Olhar para trás não te fará mais feliz, não te trará nada que você perdeu, nem muito menos vai acalentar seu coração.

Querendo ou não, sua vida estará sempre a sua frente.

Às vezes temos receio da dor gerada pela mudança, preferindo a estagnação a andar para frente. Mas, o que seria de nós sem as dores do parto?

Mudar não é fácil, não é indolor, mas certamente traz uma paz muito maior para dentro de nós.

Há quem prefira passar por essa vida sentindo dó de si, somatizando suas frustrações, vivendo, ou melhor, sobrevivendo de restos, pelo simples medo de ter que enfrentar desafios. A zona de conforto é desconfortável, mas e daí se você já está acostumado a sofrer!

Eu mudo! Mudo e desmudo quantas vezes forem necessárias. Foda-se a dor momentânea que isso me causa. Sei que meu crescimento espiritual e moral serão incalculáveis depois de cada ajuste de rota realizado com sucesso. Sim! Ajuste de rota… O caminho é sempre para frente, mas a rota eventualmente tem que ser ajustada para alguns atalhos cheios de pedras, espinhos e buracos, naquele chão bem ruim, trazendo desconforto e estresse.

Nunca pare, por nada nem ninguém, a sua caminhada. Se alguém não quiser vir junto, deixe que ache o seu caminho, mas não atravanque o seu. Não retroceda e nem se arrependa de seguir adiante. Deixe o seu caminho livre de obstáculos intransponíveis.

Por mais sofridos que possam ser certos afastamentos, alguns poderão ser temporários, outros definitivos. Não importa! Serão sempre necessários para amadurecimento de ambas partes.

Do not look back, your life is ahead.
Não olhe para trás, sua vida está à sua frente.

Anúncios

A Fábula dos Barcos e os Remos

Postado em Atualizado em

Uma vez, há mais de 20 anos, escutei de um casal que estava casado há 30 anos que o casamento era como dois barcos a remo num mar com marolas, onde o cuidado consistia em sempre zelar para que um barco nunca sofresse um desvio provocado por uma marola e se distanciasse do outro. Que os remos sempre pudessem ser usados para puxar um ao outro. Sempre.

Achei lindo. Poético. Mas, a vida real não é um mar com marolinhas! É uma ilha selvagem, cheia de aventuras, desventuras e decisões árduas a serem tomadas, com embates e contrapontos reais. Vontades e livre arbítrios a serem respeitados.

Sabe aquele lance de que quem ama, liberta. Pois é. Quando a rotina aprisiona, a infelicidade se traduz na falta de perspectivas e as expectativas e planos para o futuro já não coincidem, é o momento de deixar o egoismo de lado e liberar a outra parte para encontrar o que lhe falta para ser feliz.

Difícil dizer que não deu certo. O dar ou não dar certo é tão relativo. Deu certo pelo tempo que tinha que dar. Rendeu frutos, resultados, viagens, amigos, união e principalmente uma vida em comum que não irá se apagar.

Como dia a música “Tudo bem quando termina bem”.

Algumas respostas vão sendo construídas aos poucos, não teremos todas. Mas, algumas com certeza já sabemos. Outras nunca saberemos responder. Mas, o mais importante do que as respostas são as ações, o respeito mútuo que nutrimos e nutriremos, o carinho e o cuidado que permanecerá.

A vida que segue, que seguiu ou que seguirá. O tempo, mais do que nunca, trará suas coisas aos seus devidos lugares.

A Difícil Arte de ter que Pensar como os Outros Esperam que Você Pense

Postado em Atualizado em

Vivemos num mundo cada vez mais chato…  Tudo é proibido, politicamente incorreto, errado.  Melhor: o errado tá virando certo, enquanto o certo tá cada vez mais errado.

Sabe o que é pior disso tudo?  As pessoas acreditam piamente que a sua verdade é a única, absoluta e universal.  Questionar ou não concordar virou sentença de morte, de demissão, de divórcio e de fim de amizades.

Ah… Que saco!

Não sei ser assim…  Ok, me desculpem os puritanos, os corretos, os ideológicos, os religiosos, os sei lá o que mas, EU DIGO O QUE PENSO!

Não sei fingir quem não sou.  Mudo de opinião, me transformo e, principalmente, assumo minhas posições.

Essa história de viver de politicagem com certeza não me pertence.

Se você é positiva, brinca, interage com as pessoas, é louca! Se, ao contrário, fica na sua, concentrado e introspectivo, é anti-social. Ora, porra!

Particularmente, prefiro ser louca do que ser triste. Gostou ótimo, não gostou, FODA-SE!

Aliás, há tempos que o FODA-SE passou a ser meu mantra de vida. Me estresso menos, me frusto pouco e foda-se.

E viva o Foda-se!

 

Por que ter um cachorro foi uma das decisões mais acertadas da minha vida?

Postado em Atualizado em

Quando criança e adolescente sempre enchi o saco dos meus pais para ter um cachorro. Eles nunca permitiam. Principalmente meu pai, que dizia que ia sobrar para ele, que a casa ia ficar fedendo, que não iríamos cuidar nem dar banho, que cachorro sujava, comia coisas e etc…

Mas, um dia minha irmã teve um problema de saúde sério e, logo depois de sua recuperação, minha mãe, contra a vontade de meu pai, trouxe para casa um filhote mini de poodle. Era champagne e tão pequena que escondemos numa caixa de sapato para meu pai não ver quando chegasse em casa. Mas minha avó já tinha passado o bizu para ele. Ele chegou já procurando o bichinho… Achou no cantinho da varanda dentro da caixa… Já foi falando que queria “aquilo” fora de casa no dia seguinte. Minha mãe mais que rapidamente inventou que estava cuidando para uma amiga e que ela viria buscar em 10 dias. 10 dias!!!! Tempo suficiente para meu pai não quisesse mais ela. rsrsrs Não a quisesse mais longe dele.

Óbvio que ele estava certo. Sobrou para ele. Banho, limpeza, comida…

Como me casei cedo, a Shaika ficou com minha irmã até sua partida bemmmm velhinha.

Bom… como a vida é cíclica, meus filhos quando pequenos sempre pediam um cachorro. E eu, como aprendi com meu pai, dizia as mesmas frases: “Vai sobrar para mim. Cachorro faz sujeira, faz caquinha, deixa a casa fedendo e etc”.

Meu filho foi diagnosticado como autista quando tinha 8 anos e TODOS os especialistas diziam que ter um cachorro era maravilhoso para crianças com vários distúrbios, especialmente os autistas. E eu sempre no mesmo discurso… De jeito nenhum!

Para encerrar o assunto, conjuguei a minha alergia ao discurso para dificultar a argumentação de todos. Era verdade a alergia, o pelo me deixava espirrando pacas. Assim, a pressão diminuiria para o meu lado e ninguém me perturbaria mais com isso.

Mas, um dia, (talvez estivesse de TPM pois estava sensível demais) vi um vídeo de uma criança autista sendo tirada da crise por um Rottweiler. No mesmo dia comecei a minha busca pelo cachorro perfeito para tirar minha culpa… Quantas crises fortes do meu filho eu teria evitado com um cachorro? Com certeza isso eu nunca saberei.

O fato é que saí para trabalhar e, sem falar para ninguém, voltei para casa com um cachorro.

Quando estava chegando em casa, liguei para as crianças e as perguntei se eles fariam qualquer coisa para ter um cachorro, ao que a resposta obviamente foi com gritos entusiasmados de SIMMMMMMMMM… Pedi então que eles fossem para a garagem com material de limpeza.

Quando cheguei estavam os 2 com vassouras, panos, veja e etc me esperando. Quando saí do carro e tirei aquele pingo de cachorro do carro todo sujo de coco e vômito, só ouvia os gritos dos dois de felicidade. Simplesmente peguei o pequeno cachorro e subi enquanto os dois limpavam o meu carro. Fui limpar o cachorro também daquela imundice.

Lógico que, como aconteceu com meu pai, sobrou para mim. Logo, ela (é uma Labrador fêmea) se tornou meu rabo. Me acompanha onde eu vou, até no banheiro. Logo eu, que sempre precisei estar só no banheiro, agora tinha companhia para número 1, 2, 3 ou infinito.

Meu filho, coincidentemente ou não, nunca mais teve crise forte. Todo dia quando chega da escola, passa de 15 a 20 minutos sentado no chão da sala com ela. Se entendem. É o momento que ele sai da agitação da rua, da escola, para readequar a sua energia, se acalmar e se reequilibrar.

Minha filha faz dela gato e sapato, agarra, puxa, beija… e a bicha sempre na maior paciência do mundo.

Como tudo na vida, tem seu custo. Manter um cão é caro! Ela teve doença do carrapato e 3 meses depois reincidiu. Quase morreu e eu quase morri junto. Gastei o que podia e o que não podia para não perdê-la.

Minha casa teve vários objetos roídos: parede (!), mesa, cadeiras, roupas, chinelos, sapatos, dinheiro e até certidão de nascimento, afora as contas que ela comeu. A raiva passa logo que você começa a brigar e olha aquela cara linda de culpa máxima… Aquele olhar de coitada, que fez sem querer… Aquela lambida de desculpas. Pronto, acabou a raiva.

Mas, sabe o que é não se sentir só? Sabe aquele ser que entende quando você está triste, que faz besteira para chamar sua atenção quando você entra no seu mundinho… que odeia quando você pega o telefone. Ela, com aquela patona me dá patada na mão, muitas vezes deixando cair meu celular, para mostrar que está ali, que precisa de atenção…

Me acorda todo dia as 6 da manhã me pedindo carinho e me dando muito amor. Me acompanha no café da manhã e em tudo o que eu faço. Não me deixa só.

Eu chego em casa e a felicidade dela me deixa pensar que a minha importância para ela é infinita.

Com certeza me prende em certas coisas. Sei que ela está me esperando em casa, sei que ela vai ficar apreensiva se eu não chegar. Mas, e daí que eu não fique tanto mais na rua. O amor está me esperando em casa. Vai me fazer rir. Vai me fazer me sentir importante. Vai me dar trabalho, mas também vai me dar muito carinho quando eu estiver triste.

Realmente, sobrou para mim… Sobrou para mim descobrir a felicidade de ter um cão! ❤

PS: Minha casa não fica fedendo, descobri um produto maravilhoso que tira todo e qualquer cheiro de cachorro de casa. Além disso adestrei meu bebê e ela só faz as necessidades dela num “pinico” que fica na varanda. Nem dá muito trabalho para limpar e mantém dentro de casa sem nenhum vestígio de dogs. Pelos são inevitáveis. Vc acaba se acostumando, tem fases que cai bem pouco e também tem uma super escova que reduz significativamente a queda. Tudo tem jeito!

Abstenha-se dos Pessimistas… Cuidado para não se tornar um também!

Postado em Atualizado em

Gente pessimista é chata para c%$#*&¨.

Parece que vive com uma nuvem na cabeça. É o estereótipo do Ó Dia, Ó Vida, Ó Azar. Quem aguenta com isso????

No trabalho ou em casa, lidar com isso é o ó!

Sabe o que é pior? Essa coisa parece que é um vírus. Sai contaminando geral. Eu procuro me afastar tão logo identifique, vai que me torno a chata de plantão da vez.

Desconjuro, Vade Retro, Isola, bate três vezes na madeira.

Já conheci gente que é como Gabriela em matéria de pessimismo, nasceu assim, cresceu assim e dane-se. Conheci muita gente que se tornou esse pé no saco com o tempo. Mais uma razão para acreditar que o problema é viral.

Ultimamente até tenho acreditado que na verdade trata-se de uma epidemia. É uma tuia de gente treval que vou te contar… Caraca, no Facebook então, dá em penca!

Será que o antídoto não seria cada vez que parássemos para reclamar, sorríssemos.

Quando alguém vem reclamar para o meu lado, adoto 2 posturas possíveis:

1) Se estiver de TPM, vou mandar pastar. Vou falar o que penso. To de TPM e posso falar o que quero. Não gostou, bloqueia na rede social. To nem aí. Me livrei do chato. Estou em paz e nem precisei comer chocolate para isso.

2) Se estiver no meu momento peaceful, vou sorrir, fingir demência, surdez e ignorância, mostrarei minha dentição perfeita que a ortodontia me deu e mentalmente vou fazer figa para me isolar deste mal. Deus me proteja!

Ah… E tenha certeza! Quanto mais isolado você estiver deste mal, mais suas coisas andarão no caminho da luz.

Desconstruindo o Amor em 10 passos

Postado em

Recentemente uma amiga muito querida foi pega de surpresa com o pedido de separação de seu companheiro.  As razões menos óbvias possíveis, o inesperado pedido de desconexão abruptamente teve que assumir a rotina.

O relacionamento foi acontecendo… tímido e constante.  Há cerca de 1 ano e meio atrás.  Subitamente, através de uma gravidez não planejada, o amor floresceu…

Foi intenso, como a vida tem que ser.

Então, num certo dia a conversa é: “Acho melhor a gente dar um  tempo para o nosso bem.”

Bem de quem, meu amor???? Decisão unilateral não significa querer o bem da outra pessoa.  Isso em gestão tem outro nome, autoritarismo!  Cada  um seguir seu caminho…  Até parece que o amor é uma tomadinha que a gente desliga né…

Ok…  Isso é ruim…  Mas tem coisa pior:  Quando a criatura excede todos os limites dando esse recado através de um Cosplay imaginário de Mestre dos Magos…  Simplesmente Some!!!!!!  Sabe aquela parada adolescente de querer deixar cair no esquecimento para não precisar assumir suas decisões… POZÉ!!!!

E todas as mensagens, juras, promessas????  Onde foi parar o amor????  Nada acaba de repente. Ou tudo foi mentira?

Relaxa, amore!  Homens só chegam ao amadurecimento pleno aos 50 anos.  Muitas vezes, são felizes nas suas infelicidades e preferem suas “Miserables Lives” do que arriscar a mudança, mergulhar no amor.

Mas, e aí?  Como fica o lado que não decidiu…. Na impossibilidade de desligar a tomada do amor e obviamente na necessidade de não abrir mão do amor mais verdadeiro, o amor próprio, faz como para aceitar e arrancar esse sentimento do peito?

Ah… Quem nunca sofreu por amor que atire a primeira pedra, melhor seria atirar uma flor…

O amor precisa ser desconstruído…  Na marra, na tora, na força e no fórceps.  But how?

  1. Antes de qualquer coisa.  Arrependa-se por ter feito, arrepender-se por não ter tentando traz uma culpa enorme.  O orgulho é que afasta as pessoas, não é a distancia.  Então, antes de iniciar a desconstrução, que já adianto, será dolorosa, exponha-se uma última vez.  Sim!  Não é vergonha nenhuma dizer o que ainda sente.  Foda-se a reciprocidade. Diga o que sente de verdade.  Sem rodeios, sem floreios e sem desespero.  Sede firme e entenda que há uma tênue linha de limite entre a exposição necessária e a humilhação.  Portanto, não perca o equilíbrio para não ir para o lado errado.
  2. Obviamente se o passo anterior não tiver surtido efeito, você estará seguindo adiante…  O segundo passo é dar um tempo para si.  Recicle-se.  Enlute-se.  É importante esse luto para o auto-conhecimento.  Sofra, chore, grite, veja filmes de drama e escute músicas de sofrência. Só não encha a cara…  Isso realmente não resolve.  Só te fará se tornar a vitima da situação.  Assuma-se como protagonista da sua vida.  Protagonistas vitimizadas não dão IBOPE.  Protagonistas não se permitem o papel de coadjuvante em sua própria existência. Sofrer faz parte! Mas, faça isso somente por até 4 semanas.  Por que 4 semanas?  Simples, a TPM.  Você irá perceber que sofrer por amor é opção, por menstruação não.  Muito melhor quando quem tem as rédeas é você, não?
  3. Distraia sua cabeça.  Saia, passeie, faça turismo, viaje, vá dançar, faça uma academia.  Libere endorfina.
  4. Mude…  A mudança interior é complicada pacas.  Tome um atalho e comece pelo exterior mesmo.  O amor próprio tem que ser cultivado.  Pessoas felizes são mais amadas. Exalam energias positivas e atraem atenção… e mais amor.  Positivize-se!
  5. Se houver oportunidade, ame muito.  Experimente-se. A vida não acaba com o fim de um amor.  Pode ser a força do destino liberando seu caminho para um amor ainda maior. Vale até perfil no Tinder, ParPerfeito, Match e etc…  Conheça gente!
  6. Se ainda houver necessidade de contatos com o ex-amor, veja se essa relação é saudável para você.  Se for para ficar sofrendo a cada vez que o vir, é melhor se afastar de vez.  Apague os vestígios deste amor.  Não leia mensagens antigas.  Não se encontre, não o veja…  Se necessário, bloqueie nas redes sociais.  Não ver faz cair no esquecimento.  Ok que às vezes não cai tão rápido assim.  Mas, garanto.  Na vida tudo passa.
  7. Veja filmes alegres, leia, faça atividades ao ar livre, ande de bicicleta, de barco e de avião.
  8. Ocupe sua mente com algo importante.  Comece um curso, um novo hobby, um livro, uma meditação.  Ou até mesmo enfie a cabeça no trabalho…  Só tente não pensar.
  9. Nada tá funcionando!? Tá na hora de atitudes desesperadas no estilo adolescente.  Faça uma lista de defeitos do dito cujo.  Repita-se milhões de vezes como um mantra: ELE NÃO ME MERECE. Repita até que seu cérebro incorpore e torne esse pensamento num axioma.  Numa atitude mais desesperada ainda, resignifique seu ex-amor.  Odeie com toda a força todos os seus defeitos, faça com que só eles apareçam.  É escroto isso!  Temos que odiar para matar um amor!  Mas, estamos falando de resguardar o mais puro dos amores: o amor próprio.  Então estaremos perdoados.
  10. Reinvente-se…  Faça um reset de si.  Desconstrua e se reconstrua muito melhor.  Sofrimento é que faz a gente endurecer a carne e nos preparar para as porradas da vida. Pode até demorar, mas um dia vai passar…  A borboleta sofre no casulo para se transmutar numa beleza estonteante e VOAR!  Faça a sua metamorfose, liberte-se!

 

 

Dicas para Empreendedores de Primeira Viagem

Postado em

Nunca se falou tanto em empreender, nunca se abriu tantas empresas, nunca se arriscou tanto… Mas, a gente está fazendo isso da forma correta?

Trabalho com orientação e consultoria a empresas há uns 10 anos.  A grande taxa de mortalidade das start-ups me sinaliza que não. Definitivamente não estamos fazendo isso direito!

Muita gente deixa para empreender quando é demitido, daí o crescente número de empresas surgindo… Crise = desemprego = desespero = empreender da forma errada

Mas, qual seria a forma certa?

Se eu tivesse a resposta talvez não estivesse aqui escrevendo neste momento. O que posso dizer é o que estamos fazendo de errado, com certeza não são poucos os erros. Mas, se sabidos, por que não prevenidos? aha… então… cada um com seu cada um… mas, titia aqui vai tentar colocar alguns pingos nos is para ajudar os coleguinhas que estão enveredando neste mundo (ou seria submundo?), empreendedores de primeira viagem… De aconselhar sou ótima (rs)!!!!

Vamos começar com um axioma (pelo menos comigo é!):

Se algo está estável há algum tempo, prepare-se. Vai dar merda!  Se, ao contrário, tudo está nitidamente uma merda, nada dá certo há algum tempo, oba!  Tá chegando a hora de colher coisas boas!

Dito isso, vamos a outro fato: TUDO MUDA, sempre, o tempo todo…  Para bom e para ruim.

Agora que estamos na mesma vibe, podemos começar a traçar o rumo desta prosa…

Primeiro, não deixe para começar seu plano B quando seu plano A se tornar inexequível. Muitas pessoas começam a a empreender quando estão desempregadas.  Muitas vezes dá super certo. O desespero às vezes é um super ingrediente de sucesso para muita gente, tem que dar certo e pronto.  Mas construir algo estruturado, sem tanta adrenalina e mais pensado não seria mais salutar?

Um fator quase comum entre os empreendedores iniciais ou daquelas pessoas que esperam empreender é onde arrumar o dindim, o aqué, a bufunfa, o tutu, a grana … ???

O eterno dilema entre realizar o sonho ou subsistir.

Na maior parte das vezes, precisamos de dois dinheiros: o do projeto e o pessoal.  Não basta conseguir o dinheiro para financiar o projeto, as contas não param de chegar enquanto você tenta viabilizar um negócio.

Êta equação difícil da gota!

Posso garantir que muitas ideias fantásticas ficam presas neste dilema. Mas, para isso há solução. Acredite! Pode ser até mesmo mais fácil do que se imagina. Com um pouco de pesquisa, resiliência e determinação esse obstáculo pode ser facilmente superado. Aliás, resiliência é a palavra da vida de um empreendedor!

Para o financiamento existem várias ferramentas de fomento disponíveis no mercado: as Fintechs tem crescido muito neste mercado quase como molas propulsoras de novos negócios, cada qual com sua tese, suas políticas, taxas e prazos (muitas vezes taxas de juros bemmmm baixas, com prazos super dilatados e ainda com carência para o início do pagamento), é necessário pesquisar, mas, em geral, há muitas opções no mercado.  Lembre-se que a gente escuta desde bem pequeno: “Sempre tem um chinelo velo para calçar um pé cansado.””

Além das Fintechs, e muitas vezes paralelamente à elas, há aceleradoras, incubadoras, investidores, anjos, programas de corporate venture, patrocínios, premiações e incentivos de várias formas, governamentais e privados. Vou até contar um segredinho: Tem alguns agentes financiadores que são sem a necessidade de restituição do valor investido!!!! Sim, sim, sim!!!!! Não precisando pagar nada!!!!! Exemplo: estamos passando por uma crise hídrica, vários agentes estão promovendo programas de incentivo e aceleração de empresas com essa tese. Em geral vem como smart money, ou seja, com incubação, mentoring e desenvolvimento.

Algumas instituições abrem editais para apresentação de start-ups para esses incentivos. É preciso fuçar!!! Um empreendedor é, eminentemente, um fuçador.

Venda-se! Saiba ser um divulgador de si e de seu projetos! Marketing Pessoal é tudo nesta fase. Para se empreender TEM QUE SE VENDER!  Os melhores empreendedores que já conheci eram, acima de tudo, excelentes vendedores.  Cara dura e persistência.  O não você já tem.  Qual o risco que você terá em tentar converter num sim, o que você vai perder?

Recomendo: Biografia de Wall Disney, Steve Jobs e os filmes JOY e Em Busca da Felicidade.  Ilustram a resiliência e a persistência em busca do que se acredita.

Neste ponto ressalto um outro ponto de atenção, onde muitas ideias também são perdidas, principalmente em empresas de tecnologia. O perfil dos idealizadores de projetos técnicos é de pessoas bem introspectivas, que não gostam e não sabem vender, que são desenvolvedores, pouco acostumados ao desenvolvimento do networking, falam pouco e a maior parte é SUPER tímida!

Os caminhos mais fáceis para resolver esse problema são: ou a pessoa corre atrás do prejuízo(na verdade corre na frente pq quem corre atrás já está chegando atrasado) e se recicla OU se junta à alguém mais despachado, que fará o comercial. Mas, CUIDADO COM A SOCIEDADE.

Esse é mais um item determinante na derrocada das empresas, eu mesmo já me lasquei ALGUMAS vezes com isso. Saiba escolher muito, muito, muito, repito mais uma vez, muito (!!!!!) bem o sócio. As pessoas mudam. É um casamento. Se a gente tem dificuldade de escolher parceiro para vida, para os negócios a dificuldade é a mesma. A convivência é cruel, a divergência de pensamentos é complicado de se administrar, as prioridades. O bom mesmo é ter alguém que você confie profissional e pessoalmente, te complemente, que seja capaz de trazer ganhos para os dois.  Uma relação simbiótica onde os dois consigam ser mais do que como indivíduos únicos.  Tenha tudo muito bem detalhado sobre responsabilidades de cada um na empresa. O combinado não sai caro. É melhor gastar tempo nesta parte chata do que perder dinheiro lá na frente, ou pior, perder a paz!

Ok! Tenho sócio, tenho a ideia (EUREKA!!!!!), como começar a empreender?

Ah… Isso Luluzinha tem na ponta da língua: BOTE NO PAPEL!!!! (normalmente é no computador mesmo, tá de boa…)

De novo, tem no mercado várias ferramentas que podem ajudar a quem não tem ideia de como começar a escrever. O SEBRAE tem uma ferramenta, o CANVAS, que é uma ferramenta gratuita, super didática, própria para quem não tem intimidade com Planos de Negócios ou com estruturação de modelos de empreendimentos, é colaborativo, online… Enfim, super prático!

Botar no papel, criar metas e rotinas diárias para o amadurecimento do negócio, são atividades vitais do empreendedor. Um dia de cada vez, mas faça isso realmente com dedicação.

Valide sempre!  Valide tudo!  Valide com amigos, família, sócios, profissionais de mercado, professores, clientes e, principalmente, com inimigos.  Fique sempre de olho na concorrência, mas com mente e coração abertos.  Já lidei com muitos empresários que se achavam tão supra sumo da perfeição divina que não reconheciam seus próprios defeitos e tampouco viam os benefícios dos concorrentes em relação aos seus produtos.  Lembre-se do gráfico SWOT (gosto mais de chamar de FODA – é mais fácil de lembrar!) onde avaliamos as Forças, Oportunidades, Deficiências e Ameaças.

Então, se acha preparado para viver vendendo o almoço para comprar a janta por algum tempo, sem horário para dormir,  sem glamour, sem se divertir ou descansar?  Se sim, o que ainda está fazendo aí parado que não está produzindo?????  O tempo urge. Mãos a obra e boa sorte!

 

PS: Se tem alguma dúvida sobre empreender ou gostaria de um modelo de plano de negócios, pode me mandar uma mensagem que respondo a todas!  Até para discutir ideias!!! Sou suuuuuuppppppeeeeerrrrrr legal! 😉

 

Escolhas… A interminável tarefa de errar!

Postado em

Desde muito novos somos obrigados a exercitar diariamente a capacidade de escolher.  O mais incrível disso é que, por mais que pratiquemos, nunca adquirimos a excelência.  Sempre há fatos, informações e sentimentos novos que nos impedem de usar a tão sabida experiência em busca da assertividade.

Errar é bom.  Aliás, errar é ótimo!!!  Dá uma vontade absurda de não fazer de novo, né?  Só vontade!

O ser humano é construído por erros, muito mais do que por acertos.

Às vezes imagino que talvez tenhamos sido criados para errar mesmo, daí nos tornamos mais ou menos capazes de transmutar estes erros, tornando-os cada vez menos óbvios.  Sei lá, acho que talvez sejamos somente criados para errar mesmo e acabou.

Talvez a gente viva a vida tentando fugir dos erros, talvez a vida passe o tempo todo fazendo questão de os encontrar.  E o pior que sempre encontra, a cada esquina, a cada mensagem, a cada favor, a cada empreender…  sempre encontra!

O fato que às vezes cansa.

O pior é quando além de cansar, fere.  Pior ainda é quando a ferida não cura…

É… 

Podia ser mais fácil.  Podia ser um jogo de RPG.  Podíamos estar somente jogando The Sims, onde os erros seriam propositais, qualquer coisa era só não salvar o jogo e recomeçar do último acerto…  Mas, não é assim tão fácil.

À medida que envelhecemos, o peso destas más escolhas vai se tornando um pouco mais denso.  To nesta vibe… 

Irc…  não deveria estar.  Gente mal humorada é chata pacas!  Será que estou me tornando chata?!

Ah, vai…  Talvez tenha sido mais uma má escolha sentar para escrever hoje…  Agora já era, foi para a coleção, mais um errinho não vai pesar tanto assim… Até o próximo erro, ou quem sabe um acertinho só para variar…

ok, ok, ok, vou ali apertar o botão resetar e já volto! 😉

Conselho do Dia: Acostume-se a perder!

Postado em Atualizado em

Hoje vi uma postagem de uma amiga que me fez refletir sobre perdas…  Sempre nos fazem sofrer, quase nunca sabemos lidar com elas, mas deveríamos…

Você perderá o amor da sua vida, o emprego dos seus sonhos, a viagem perfeita, a casa maravilhosa, a roupa deslumbrante, o corpo sarado, a memória infalível, o sono, a saúde de ferro, muitas vezes, a paz, o equilíbrio e até mesmo a razão!

Você perderá aquela ligação que tanto esperava, o ônibus que vai passar direto, muito dinheiro, o celular e as chaves uma centena de vezes…

Perdemos diariamente. Somos derrotados às vezes diversas vezes no dia.  Isso já deveria nos deixar calejados…  Mas sofremos.  Sofremos muito mais que deveríamos.  Mas, estas perdas são transitórias, desde que saibamos lidar com elas – quase nunca sabemos.

Acho que a vida nos prepara para isso desde que somos bem pequenos, mas não nos damos conta… Há uma mensagem subliminar quando perdemos nossos dentes de leite. Nós os perdemos bem jovens e logo vieram outros para substituir, mais fortes, maiores e mais bonitos. O desconforto foi passageiro. Vivemos isso tantas vezes na infância, a cada queda de um novo dente.  Mas, obviamente não nos damos conta desta super dica, uma preparação para a vida adulta e sua sucessão de perdas.

Enquanto adultos, deveríamos lembrar disso diariamente: não importa qual seja a nossa perda, sempre virá o substituto, quase sempre muito melhor do que o anterior. Basta esperar.

Precisamos nos acostumar com isso. As perdas fazem parte do nosso crescimento.  O problema é a nossa velha mania do imediatismo.  Receita infalível para nos lascarmos! E como nos lascamos… O tempo todo!!!!

Precisamos saber de uma regra básica da vida:  AS PERDAS SEMPRE SERÃO RECOMPENSADAS E/OU SUBSTITUÍDAS.

Sabe o por quê? Simples. O amor é assim… Por mais que você o perca, ele sempre ressurgirá numa forma diferente!  Como ele pode se apresentar de inúmeras maneiras, precisamos deixar o amor sempre nos guiar.  O amor pode estar do nosso lado e de formas inusitadas.  O nosso sofrimento excessivo pode nos cegar e nos tolir de encontrar a felicidade.

Por isso, Perca tudo, sofra, chore (o chorar faz parte) mas, recupere-se logo, ame. Lembre-se de nunca perder a capacidade de amar! Isso reciclará a sua vida e amenizará a sua dor!

#keepthefaith #mantenhaafe #acredite #amor

Conselho – Adilson Bispo

Deixe de lado esse baixo astral
Erga a cabeça
Enfrente o mal
Que agindo assim
Será vital para o seu coração

É que em cada experiência
Se aprende uma lição
Eu já sofri por amar assim
Me dediquei mas foi tudo em vão

Pra que se lamentar
Se em sua vida pode encontrar
Quem te ame com toda força e ardor
Assim sucumbirá a dor (tem que lutar)

Tem que lutar
Não se abater
Só se entregar
A quem te merecer

Não estou dando nem vendendo
como o ditado diz
o meu conselho é pra te ver, Feliz

Muito Bela, Pouco Recatada e Nada (Absolutamente Nada) do Lar!

Postado em

As polêmicas sempre aparecem, as pessoas sempre se identificam com um estereótipo vendido pelas mídias…  A mulher magra, inteligente, bonita e fofa…  E daí se eu não for assim!  E daí se eu quiser continuar sendo eu mesma.

ATO 1:  Muito Bela

Há muito precisei trabalhar minha auto-estima.  Sempre brigando com a balança.

Lembro de aos 14 anos, no auge da minha adolescência, numa boite domingueira dos anos 90, escutar 2  rapazes muito bonitos falarem para mim:  “Que rosto lindo, pena que é gorda!”…

Lógico que como toda adolescente noiada, cortei café, almoço e janta para não cortar os pulsos!

Mas, isso passa!  Aliás, se tem uma coisa que acontece na vida, é que tudo passa!

A gente passa a aceitar mais (um pouco mais, tá certo!) como somos e trabalhar em nós mesmo a auto-estima. Ou procurar urgente soluções para o que nos incomoda.

Hoje sei que sou bela.  Na minha beleza com rugas, cabelos brancos e pneuzinhos e celulites espalhados pelo corpo.  Cada dia que me sinto incomodada com algo, resolvo…  Vou ao cabeleireiro, faço uma dieta, frequento a academia ou até mesmo aplico um botox.  Sou bela, enquanto me achar bela.

 

ATO 2: Pouco Recatada

Falo alto, canto enquanto dirijo, no banho ou quando quero, falo palavrão e ligo o disque-Foda-se de vez em quando, não me faço de fofa, nem bajulo a todo mundo.  Sou do estilo ou ame ou odeie.

Sou eu mesma!

Ah… Ok…

Meu pai nunca deixou eu sair a noite sem que ele soubesse (E APROVASSE) com quem.  Apesar de ter passado para faculdade em SP, meu pai não me deixou ir para não ficar sozinha no meio de muitos homens (engenharia mecatrônica).

Nunca fiquei bêbada, aliás eu nem bebo…

Meus namorados, conto talvez em uma só mão.

Não uso roupa curta (até pq meu corpo não permite), sei conversar de inúmeros assuntos e até tenho a educação de disfarçar e ser uma excelente DAMA.  Sou quase recatada… mas, não muito.

Dane-se!!!  Prefiro ser louca do que ser triste!!!!!

Amo ser eu!  Falando alto, sarcástica, engraçada e às vezes rude!  Onde está escrito que eu, euzinha, tenho que ser como os outros querem?

 

ATO 3: Nada (Absolutamente Nada) do Lar

Desde muito nova, meu pai nunca permitiu que eu fizesse nada em casa, no máximo era a louça da janta 2 vezes por semana.  Certo ou errado, o discurso dele era que eu não podia perder tempo de estudo.  Que tinha que aproveitar meu potencial, minha inteligência e facilidade de aprender…  Que tinha que ser preparada para trabalhar  e ser independente.

Nunca cozinhei, nunca lavei, passei ou organizei minha casa.

Sempre trabalhei.  Tive 2 filhos e obvio tive ajuda, muita ajuda!  Minha mãe, minha avó, minhas tias, meu pai…  sempre estiveram por perto quando as minhas competências nada desenvolvidas para afazeres domésticos comprometia a organização e a minha rotina.

Foquei para me tornar independente.  Aos 27 anos já era executiva de banco.  Aos 35 já me tornava diretora.

Quando me separei, consegui me manter sozinha com meus dois filhos, sem comprometer a minha independência.

Me viro nos trinta, nos quarenta e nos 50, só não me peça para arrumar e ser do lar.  Enlouqueço, de verdade!

 

Não sou nada, absolutamente nada do lar, sou independente e tenho orgulho disso!

 

ATO FINAL: A Mulher Perfeita

A mulher perfeita, ideal e sem igual é aquela que somos por dentro.  Aquela que pensa e age com sua natureza, não se subjuga ao que lhe ofende e a que se sente feliz com suas escolhas.

Sou a mulher perfeita para mim, se o deixar de ser, me transformo novamente em mim e fim!

 

#belarecatadaedolar