Vida “Normal”

Positivize-se

Postado em Atualizado em

Sabe aquela história que às vezes coisas ruins acontecem para que boas possam surgir?  Pois é…  Por mais difícil e muitas vezes impossível de aceitarmos, quando acreditamos neste pensamento, passamos a abrir o canal para percepções extremamente interessantes do nosso dia a dia…

Ultimamente, tenho deixado esse sentimento tomar conta de mim, até para me proteger de muitos pensamentos negativos ou até mesmo para fugir da vitimização tão comum hoje em dia.  Hoje, especialmente, passei por uma situação que me permitiu sentar e escrever sobre esse assunto, até para mostrar que a força do pensamento pode nos transformar!

Estou há 1 semana completamente travada, com a musculatura comprometida e sem me aguentar de dor nas costas e pescoço (consequências de uma personalidade extremamente ansiosa x falta de frequência nas atividades físicas).  Ontem marcaram uma reunião às 8 da manhã numa das unidades da empresa que eu trabalho.  Dormi super mal, com muitas dores e minha “cachorrinha” (um labrador de 7 meses) resolveu acordar para brincar comigo às 4:30 da manhã.  A felicidade dela me conquistou e, mesmo com sono e acabada de dor, brinquei por mais de 1 hora com ela.  Ás 6 estava morta…  A cama me chamava, mas tinha que botar as crianças para a escola rápido e me arrumar para a reunião, que no fundo sabia que não ia acontecer…

Mas, o dever me chama!!!  Fui e obviamente, como meu sexto sentido já havia me prevenido, a reunião não rolou….

Quando eu cheguei na unidade (uma academia), um prestador de serviço me viu toda torta e ofereceu ajuda…  Ele é especialista em quiropraxia, um tipo de fisioterapia que estala todos os ossos do corpo…  Gritei, ri, chorei enquanto ele me torcia toda… Enfim, saí da unidade sem ter tido a reunião, mas NOVA!!!!  Uma coisa boa me aconteceu que não seria possível se a reunião tivesse ocorrido…

Falando de uma forma geral, vocês já fizeram um exame das melhores coisas das suas vidas?  Verão que, de algum jeito, elas foram consequências de algo que não deu muito certo, que se tivesse sido tomado outro caminho, esta situação a qual te faz ou fez feliz não teria acontecido…

Há alguns anos resolvi tentar ver o lado positivo das coisas (nem sempre consigo!!!).  Normalmente é fácil quando tudo está caminhando bem, quando acontece algo fora do previsto nos desestruturamos…  Mas, existem algumas formas que podem tornar isso muito mais fácil, te trazer mais gás para suportar essas provações diárias…

Abstenha-se do que te faz mal, sejam notícias, pessoas, lugares, empregos, chefes, parentes…

Faça o bem, independente de a quem. (sem esperar nada em troca, simplesmente esqueça que o fez!).

Evite pensamentos negativos, quando eles vierem, pense em coisas boas já vividas.

Quando alguém lhe fizer o mal, xingue, fique com raiva (VOCÊ É MORTAL!).  Mas, não guarde rancor, ódio ou remoa essa situação por mais tempo que o necessário, até a adrenalina baixar.

Há uma lei natural das coisas, mais dia ou menos dia, alguém notará suas competências!

Seja uma pessoa positiva, fale coisas do bem, seja alguém que todos queiram estar junto…  Pessoas que só reclamam são um saco e são sempre evitadas.  ELOGIE!  Dê Bom Dia!  Sorria!!!!!

Numa lei física de ação e reação, emitir energia positiva trará a você energia igual.

MUITO BOM DIAAAAAAAAAAAA

Anúncios

Desemprego e o Perigo da Depressão. Como Evitar?

Postado em

Nos últimos 2 meses, 3 pessoas se mataram perto da minha casa, num ato de total desespero e tristeza.  Que ponto essas pessoas chegaram para que tomassem essa atitude?  Em conversas na rua, descobri que o motivo foi comum aos 3, mesmo sem se conhecerem, viviam a mesma angústia, a falta de perspectivas profissionais e problemas financeiros. Num momento como o que estamos passando nos dias de hoje, onde a crise e o desemprego assolam a maior parte dos lares dos Brasileiros, este inimigo muito perigoso chega perto silenciosamente, aos poucos e se instala de forma definitiva em muitas casas, a DEPRESSÃO.

A demissão, por si só, já inicia um período de debilidade da nossa auto-estima.  Nos sentimos incapazes, muitas vezes humilhados, tristes e quase sempre, os sentimentos de raiva e injustiça tornam o processo ainda mais doloroso.

Num segundo passo, encarar a família, a cobrança, os filhos e dar a notícia é algo que incomoda e gera um desconforto (até mesmo vergonha) muitíssimo difícil de lidar.

O processo todo é muito ruim.  É um teste de perseverança para nossa hombridade…  Muitos sentimentos ruins em muito pouco tempo. Não há emocional que resista intacto.  É o início do luto, e da luta!

O processo de recolocação é outro teste de controle de ansiedade, paciência, persistência, fé, onde o desânimo e a esperança andam lado a lado, num looping louco de sucesso e fracasso, alegria e tristeza, decepções e surpresas…

O tempo se torna o inimigo número 1.  A demora do aparecimento de oportunidades, a falta de respostas, a humilhação constante, as negativas diárias, tudo corrobora para que o psicológico se torne ainda mais abalado.  As sexta-freiras, outrora comemoradas como o momento do descanso, se tornam sombrias e temerosas.  O fim de semana é uma lacuna grave para quem busca emprego. Dois dias insípidos para oportunidades.  Dois dias a mais de angústia…

Em pouco tempo, poderemos ser tomados por uma força invisível que se alimenta desse nosso estado frágil.  Estarmos vigilantes nem sempre é o suficiente para evitarmos o aparecimento da depressão.

Ao contrário do que muitos pensam, todos estão suscetíveis a ela.  Ela dá sinais sutis, muitas vezes despercebidos, que está se aproximando.  A desesperança constante, a irritabilidade, fraqueza emocional, grosserias com pessoas próximas, muito ou pouco sono, falta de vontade e energia para fazer coisas simples, tristeza profunda, sentimento de impotência, esquecimentos constantes, inércia, entre muitos outros sinais, são alertas vermelhos para que possamos agir rapidamente para evitar que ela se apodere de nós.

Para que isso não aconteça, ou evitar que chegue num ponto que somente intervenções médicas surtem efeitos, podemos e devemos criar rotinas que nos auxiliem neste processo de reciclagem profissional, para que seja menos doloroso possível, e por que não dizer, que transforme esta experiência numa rica vivência de aprendizados e conquistas para a vida.

Algumas dicas que costumo usar, sempre me vigio para que eu não caia na armadilha da depressão, nem sempre é fácil, mas agir proativamente contra esse mal, sempre será muito melhor do que remediá-lo:

  1. Não durma tarde, acorde cedo e não fique (jamais) de roupa de dormir durante o dia.
  2. Comece imediatamente uma atividade física.  Quando nos exercitamos, nosso corpo libera substâncias que relaxam e evitam os efeitos da depressão.  Talvez essa seja a dica mais importante.  Corpo são, mente sã!  O horário deve ser sempre o mesmo pois o corpo se habitua rapidamente.  Dinheiro não é desculpa!  Até uma boa caminhada é um excelente início. 30 minutos já fazem uma grande diferença.  Normalmente exercícios pela manhã nos dão vigor para todo o dia, oxigena o cérebro e “acorda” nossos neurônios.  Exercícios a noite são recomendados para quem tem muita insônia, pois ajudam a cansar o corpo para uma melhor dormida.  Veja o melhor horário para você mas, estabeleça pelo menos 4x por semana para que os resultados sejam bem efetivos.
  3. Olhos e ouvidos atentos a oportunidades.  Muitas vezes focamos na busca de empregos, quando existem reais oportunidades de empreender bem próximas a nós.  Na verdade, sempre acreditei que devemos empreender a todo momento, principalmente enquanto estamos empregados, termos sempre nosso plano B.  Normalmente este empreendimento pode nascer de um hobby ou algo que você goste muito de fazer, que aliás é a próxima dica…
  4. Desenvolva a criatividade!  Encontre soluções novas para antigos problemas…
  5. Procure algo que você goste muito de fazer e tenha um horário para isso.  Ler, tocar um instrumento, jogar video game, montar um quebra-cabeça, assistir a algo interessante, escrever um blog…
  6. É importante o estabelecimento de horários para cada coisa.  Uma rotina que ocupe seu dia com atividades alternadas, fará com que seu dia seja produtivo e não cansativo.  Eu particularmente estabeleci acordar diariamente às 6 da manhã, cuidar da família até as 7:30h, ler até às 9:00, trabalhar no meu plano B até às 11:00, buscar emprego até 12:30, almoçar e ver TV ou qq outra atividade de descanso da mente até às 14:00, buscar emprego novamente até as 15:00, trabalhar ou prospectar algo novo, me informar ou desenvolver algo até às 17:00, sair para passear com o cachorro até às 17:30, ir para a academia até 19:00, cuidar da família, TV e amigos até 21:00, estudar ou ler algo até 22:00 e dormir.  Me mantendo positiva, consigo aguardar sem ansiedade e me sentindo útil.
  7. Não durma a tarde! Não se envolva com atividades domésticas, que te ocupem todo o tempo e não te deixem tempo para você!
  8. Estude algo que precise aprimorar ou aprender, que lhe seja útil profissionalmente.
  9. Fins de semana não são para procurar emprego.  Não adianta!  Use-os para atividades em família, busque alternativas que te tragam boas energias, faça o BEM!  Quando eu era solteira e fiquei a primeira vez desempregada, usava meu tempo para ajudar nos estudos de crianças carentes num orfanato.  Me trazia tanta paz, me sentia tão útil!!!!  Era gostoso saber que tantas pessoas se importavam com a minha presença e que minha ausência era muito sentida.  Acabei fazendo desta atividade uma rotina por mais de 2 anos, mesmo depois que me recoloquei.
  10. Cuide e zele por algo que te faça bem, um animal, um jardim, uma horta.  Os japoneses acreditam que quando vc cuida e zela com amor (puro) de algo, isso faz com que vc limpe sua alma, esqueça seus problemas e que a natureza se encarregará de trazer boas energias para você.
  11. Saia, converse, tenha boas companhias.  Nada de falar de lamúrias… Ninguém gosta de estar com alguém que só fale coisas negativas e sio reclame da vida.  Seja positivo, apesar das adversidades.
  12. Não foque no problema, ou seja, não faça da sua razão de vida a busca pelo emprego.
  13. Não desanime.  Sei que é difícil, não adianta e não resolve! Mesmo!!!!!  Se recicle, se reinvente se necessário!

Por fim, a dica que dou e que faço (ou que pelo menos me policio para sempre fazer) é de sempre nos manter positivos, desta forma conseguiremos aguardar sem ansiedade o nosso momento de brilhar novamente.  Não encare um desemprego como período sabático, o meu é por demais produtivo, consigo fazer coisas para mim que a concorrida agenda de executiva não me permitia.  Faça por você e, principalmente por todos aqueles que estão a sua volta.  A auto-estima baixa não lhe trará o tão sonhado emprego e não lhe fará nada bem!  Acredite que você pode ser o agente da mudança de seu futuro e seja!  Boa Sorte e Xô Depressão!!!!

 

Você está preparado para ter um cão? Uma Metáfora da Vida

Postado em

Muito mais que uma pergunta direta, há nesta questão várias interfaces metafóricas possíveis.  Hoje estava a meditar sobre o assunto e resolvi compartilhar…

Como já disse em alguns textos nesse blog, tenho um filho autista de 15 anos e todos os profissionais que o acompanham me pediam que comprasse um cachorro para ajudá-lo, desde o início do tratamento.  Mas, eu como uma “super executiva” atarefada, ocupada e focada no meu trabalho, não podia, de forma alguma, buscar mais uma responsabilidade para mim…  Além de 2 crianças, ter que cuidar de um cachorro, da casa, do marido e dos negócios era absolutamente inaceitável.

Os anos se passaram e em 2012, quando me mudei para Recife, a solidão e a distância me fizeram cogitar ter um animal de estimação e, de novo, pensei no trabalho que me daria ter cachorro…  Resolvi então ter um aquário e criar peixes…  Gostei tanto da brincadeira que menos de 3 meses comprei um segundo aquário, maior ainda, mantendo 2 aquários na casa.  Bom, logo as dificuldades surgiram…  Ninguém queria limpar o aquário, os peixes quando morriam ninguém tinha coragem de tirar, a interação com os peixes começava a ser chata, pois eles não respondem a estímulos, controle de pH, de ureia, de temperatura e etc é um trabalho diário e muitas vezes esquecido, mas vital para a sobrevivência dos peixes.

Com a crise energética (bombas d’água, controle de temperaturas, iluminação e etc gastam muita luz, além da troca de água semanal, são completamente bola fora na época de economizar!) e a morte de todos os peixes, resolvi declinar da criação do bichinhos…

A psiquiatra ainda insistia comigo na necessidade do cachorro ou gato…  Os meus dois filhos e meu marido queriam muito.  Mas, pensava novamente na sujeira, no trabalho, na minha alergia…  Pensava em mim!

Um certo dia, uma amiga me marcou num vídeo no Facebook e simplesmente meu mundo virou de cabeça para baixo.  Fiquei imaginando quantas e quantas crises eu poderia ter evitado se tivesse deixado de pensar em mim.  O vídeo era de uma adolescente autista que tinha um cachorro que conseguia ajudá-la a sair da crise.  Morri por dentro de culpa, de raiva por todo o meu egoísmo e falta de sensibilidade.  Quanto sofrimento não poderia ter evitado!?  Fui nocauteada! – *Vídeo abaixo!

No dia seguinte, saí cedo de casa e fui para um evento, nos intervalos deste evento fiz uma pesquisa de raças próprias para as necessidades da família.  Conversei com vários especialistas no assunto e arrumei um canil que tinha filhotes do cão escolhido.  Antes de ir para casa fiz a loucura de comprar uma cadelinha de 2 meses da raça Labrador.

Os gritos de felicidade das crianças quando cheguei em casa foram impagáveis.  A primeira noite foi bem tranquila. A primeira.

Aí, a partir do segundo dia veio a tona tudo o que eu temia…  Era um bicho pequeno, cheio de energia, que faz coco e faz xixi pela casa, já que ainda não pode sair, não tem hora de brincar ou de dormir, não tem botão de liga e desliga, não fica dentro de um aquário sem interação, precisa de carinho e muita atenção…  As crianças, que antes diziam que iam cuidar, se cansaram bem rápido…

A cachorra está há 3 semanas na minha vida, parei de ir para a academia, parei de dormir, parei de escrever, parei de estudar e estou conseguindo trabalhar nos raros momentos em que ela dorme. Limpo a casa o dia todo por conta das necessidades fisiológicas dela.  Estou exausta.  Tentando inserir as atividades de educação e diversão do bicho com a rotina das crianças, que tanto me pediram…  Contratei uma adestradora para adestrar as crianças, a cachorra agradece…

Em muitos momentos penso e me arrependo de ter pego a cachorra, mas agora não me imagino sem ela.  Racionalmente eu não estava preparada para ter um cão, mas emocionalmente eu provavelmente já estava há muito tempo atrasada.

A partir da próxima semana estabeleci como meta, tentar ter de volta a minha vida normal, reorganizando tudo à nova situação, muito mais preparada e organizada.

Metaforicamente falando, tirei mais uma lição de vida, aliás, muitas:

– Às vezes, por nosso próprio egoísmo, não nos damos a chance de conhecer o outro lado das nossas opiniões.  Se não cedermos e entrarmos de cabeça no desconhecido, poderemos estar nos privando de novas experiências fantásticas.

– A sua rotina pode ser mais árdua do que você está acostumado, você precisará se reinventar, se reestruturar, se readaptar para poder colher os frutos mais tarde.

–  Educar e estabelecer limites para um cachorro é mais difícil do que fazer com uma criança. A grande diferença é que, quando grandes e uma vez educados, os cachorros desobedecem menos e respeitam mais suas ordens do que seus filhos o farão quando estiverem na adolescência.

– Fazer uma atividade rotineira, porém de forma repetida, diversas vezes por dia (ex: limpar a casa de xixi e coco) pode lhe fazer desenvolver formas mais eficientes e menos cansativas desta ação.  Além disso, segundo os japoneses, quanto mais você limpa o ambiente, mais você estará limpando sua alma.

– Às vezes as suas necessidades devem ser deixadas de lado por um tempo, para que o bem estar de todos seja alcançado.

– Ações paliativas para reprimir uma vontade coletiva, trazem sofrimento e dor (coitado dos peixes!).

– Comemore sempre os acertos e não super valorize a crítica dos erros.

– Pontue erros e acertos o mais rápido possível.

– Seja assertivo nas suas mensagens.  Falar muita coisa ao mesmo tempo só confunde.

– Atente-se para o tom da voz, ela pode dar a mensagem errada para seu interlocutor.

– Cuidado!  Você pode se apaixonar muito mais rápido que você imagina.  E, “ALL WE NEED IS LOVE”!

 

*Vídeo que me fez mudar de opinião e de vida…

Quem faz o Bem tem que estar preparado para a Ingratidão.

Postado em

Quantas e quantas vezes, tanto na vida pessoal como na profissional, não ficamos indignados ao nos facearmos com a ingratidão de alguém a quem ajudamos, ou que tenhamos nos dedicarmos de alguma forma, sem ao menos receber um simples OBRIGADO.

Diversas pessoas que já passaram por nossas vidas, a quem demos chances e que, na primeira oportunidade, nos viraram as costas, ou muito pior, acabaram nos colocando em situações complicadas, mentindo ou usando de má fé para trair e agir para conseguir seus objetivos, não se importando com quem precisaram magoar.  Todos temos, sem dúvidas, muitas histórias de ingratidão para contar que dariam vários livros… Todos sofremos muito com isso, fato!

Essa ingratidão dói mais ainda, pois, quando ajudamos, normalmente esperamos o mínimo de carinho e reconhecimento.  Esse é o grande erro!!!!

Quando ajudamos alguém temos que ter a maturidade de não esperarmos absolutamente nada em troca.  Devemos estar preparados para a Ingratidão.

No mundo corporativo, essa situação é tão comum quanto o dia nascer diariamente.  São inúmeras as pessoas que querem crescer a todo custo, “eliminam” os obstáculos, mesmo que isso signifique pisar em quem lhes estendeu a mão.

A competitividade do mundo faz com que as relações estejam cada vez mais frágeis, mais vulneráveis a interesses e à recompensas.  Definitivamente o mundo está perdendo o seu charme, se tornando egoísta e intolerante.

A Ingratidão é como um vírus, as pessoas acabam sendo contaminadas, tornando todo esse processo uma progressão geométrica de maldade: “Faço porque fizeram comigo”; “Se eu não fizer, alguém irá fazer”; “Fiz porque mereceu”… e assim, com as pessoas se cansando de “apanhar”, vão aderindo a este círculo vicioso, por não estarem preparadas emocionalmente para o PERDÃO e muito menos para o “FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM”.

Depois de muito sofrer com a necessidade da gratidão, hoje adoto uma postura completamente diferente.  Desta forma, não me magoo mais.  Primeiro, NUNCA deixo de fazer o bem por conta de experiências negativas do passado.  Aprendi que cada um só pode dar o que tem, não conseguimos tirar leite de cabra de um rinoceronte, nem fel do mel de abelha…  Quem tem amor para dar, não pode ser contaminado por egoísmo.  Muitas e muitas vezes já estendi a mão uma segunda vez, uma terceira, mesmo sabendo que a pessoa não mereceria, porém o que vale é a minha consciência.  Eu que tenho que dar a oportunidade da pessoa se arrepender.  Preparo-me para o pior, se o melhor acontecer, vira bônus.

Segundo, para evitar o desgaste de esperar reconhecimento, comecei a imaginar que cada ato positivo que fazemos, depositamos um crédito numa “Conta Corrente do Bem”.  Essa conta corrente transforma esses créditos em títulos capitalizados pelo amor Supremo, que vale muito mais que qualquer reconhecimento material, ou deste mundo.  Em algum momento esses seus títulos capitalizados serão resgatados.

Portanto, não nos deixemos contaminar pelo círculo vicioso do mal, ou até mesmo da neutralidade – “Não faço para não me magoar”, criemos o amadurecimento necessário para formarmos o círculo virtuoso do bem querer, da ajuda sincera e do amor.

O mundo anda tão agressivo, tão doente, tão rancoroso, que se cada um de nós nos despirmos da vaidade de necessitar o reconhecimento do próximo a cada boa ação nossa, conseguiremos agir conforme nossa natureza de amor, investindo na nossa Conta Corrente do Bem cada vez mais, nos tornando seres mais ricos e prósperos emocional e espiritualmente.

 

Quem está desempregado não tem tempo de ficar parado…

Postado em Atualizado em

Finalmente você está desempregado…  Momento de relaxar, acordar tarde, “morcegar”o dia todo, ir para a praia, ver televisão…  Certo?  ERRADO!!!!

Quem está desempregado não pode ter tempo para ficar parado, é hora de arregaçar as mangas e aproveitar cada minuto deste período.

Entenda este momento como uma chance de recomeçar e reorganizar vários conceitos, um momento de auto-conhecimento, desenvolvimento de networking, organização de assuntos pendentes (principalmente check-ups médicos), expandir conhecimentos e estudar novos assuntos, pensar ou por em prática projetos adormecidos, empreender, refazer currículo, quem sabe escrever um blog de assuntos que você domine, prestar consultoria (mesmo gratuita) para amigos, conhecidos e parceiros… São tantas coisas que não há tempo de descansar…

Lembre-se que você não está de férias.

Abaixo listo algumas dicas para quem está neste momento de reciclagem.

1) Defina uma rotina, com horários de acordar, começar a postar vagas, manter o networking… Nada de usar o uniforme de pijama.  Isso não ajuda na auto-estima e você não pode se desmotivar.

2) Planeje-se:  escreva metas, o que você precisa e/ou gostaria de fazer e não tinha tempo (ex: fazer um check-up médico, visitar um parente e etc).

3) Refaça seu currículo.  Se necessário crie mais de um com objetivos claros e com termos próprios da sua área de atuação.  Atualize nas redes sociais profissionais, como o LinkedIn.

4) Comece a fazer o cadastramento nos sites de vagas.  Isso leva muito tempo e é a parte mais chata de todas.  Sugiro o cadastro de 3 a 4 empresas por dia para não ficar muito cansativo.

5) Faça uma relação de empresas que você gostaria de trabalhar,  vá até o site das mesmas e cadastre seu cv no banco de oportunidades, normalmente na aba Carreiras ou Trabalhe Conosco destes sites.  É sempre bom também seguir estas empresas nas redes sociais, normalmente elas divulgam as vagas em aberto por lá e é possível acompanhar mais de perto.

6) Relacione seu networking.  Divida em parceiros, clientes, colegas e amigos. Para parceiros e ex-clientes envie um email comunicando sua saída da última empresa, agradecendo a parceria e atualize seus contatos.  Neste momento nada de pedir nova oportunidade, deixe para falar isso para quem lhe oferecer ajuda desta lista de emails enviados.  Adicione todos em sua rede profissional.  Marque encontros com pessoas próximas, tanto para manter o networking, como para conhecer novos mercados e se distrair. Tente manter-se social pelo menos 2 vezes por semana.

No LinkedIn adicione todos os seus contatos e adicione a maior quantidade de profissionais de RH que você conseguir.  Normalmente eles não postam vagas na aba emprego e sim diretamente nas suas atualizações.  Olhar com frequência a timeline pode te fazer sair na frente de uma vaga.

7) Comece a estudar um novo assunto.  Quem sabe até não se preparar para uma nova certificação.

8) Alimente-se nas horas certas, de 3 em 3 horas.  Não coma alimentos muito calóricos.  Como seu nível de atividades deve cair neste período e o nervosismo e a ansiedade podem estar presentes, não se deixe engordar, nem se descuide da saúde.

9) Se exercite!  Tire pelo menos 30 minutos do seu dia para praticar uma atividade física.  Nada é desculpa! Até subir escadas do prédio é uma atividade, caminhada também não há nenhum tipo de restrição.  Há hoje em dia uma quantidade de Academias da Cidade em diversas praças com aparelhos de ginástica, onde a população pode praticar gratuitamente, e ainda fazer novas amizades.  A quantidade de academias também é muito vasta para todos os bolsos.  Outra opção mais “nerd” é de jogos de video game.  Há jogos que simulam atividades físicas e que realmente queimam muitas calorias e ainda divertem.

10) Não desista, persista.  Você não está só.  Manter a motivação só vai ajudar neste processo.  Nada de se fazer de vítima, de sentir pena de si.  É uma fase que passa.  Sua energia será determinante neste processo de mudança, quanto mais positivo diante desta situação, mais tranquila e rápida ela será.  Você vai conseguir!  Mantenha sempre sua motivação!  BOA SORTE!

 

Redes Sociais e Educação – Um Desafio para pais e educadores

Postado em

Cada vez mais cedo nossas crianças estão tendo acesso às novas tecnologias.  Desde bebes, pais fornecem seus celulares com o objetivo de suas crianças ficarem enfeitiçadas vendo videos de Galinha Pintadinha e similares.

Nossos pré-adolescentes já não conseguem viver sem WhatsApp, Facebook, Instagram, e muitos outros, que nós, adultos muitas vezes nem conhecemos… Imagina a próxima geração que vem por aí!!!!

Com a internet invadindo as relações cotidianas, vários conceitos precisam ser revistos.  Por exemplo: qual idade ideal para que a criança tenha um smartphone? Quais redes sociais devem usar? O que é o certo e o que é errado?  Principalmente: PAIS E EDUCADORES ESTÃO PREPARADOS PARA ESTA NOVA REALIDADE?

Na verdade, é um grande desafio, mesmo para pais conectados, administrar as farinhas com seus dedinhos super ágeis utilizando de forma intensa todos os aplicativos e ferramentas digitais que a internet pode oferecer…

Além de trabalhar na área digital há muitos anos, tenho 2 filhos super conectados, com perfis de idade, utilização e aspirações completamente distintos.  Isso vem me ajudando muito a traçar o perfil de uso da molecada e, da maneira que posso, ajudar pais e educadores na orientação acerca deste tema.

Uma coisa já digo: Agora não adianta mais proibir!  Nossos filhos estão na rede!!!!  E, para que eles não virem comida para tubarão (pode parecer forte, e a intenção é essa mesmo!), é bom aprendermos a lidar com isso e transformar esse desafio em interação e facilitador para as relações super complexas entre pais e adolescentes.

Já que não adianta proibir, vamos à parte prática: Comprar um smartphone para o filho…  Ah, uma novela!!!! Principalmente porque as crianças tem amigos que vão levar os telefones mais mega fantásticos para a escola e seu filho não vai querer sair por baixo.  Independente de ceder ou não aos caprichos dos rebentos, é importante saber que existem sistemas e SISTEMAS em termos de controle e segurança.  Resumidamente e sem entrar muito no mérito, vou dar uma dica dos 3 principais sistemas operacionais existentes (e mais pedidos pela garotada). Ah, vou usar uma linguagem não técnica para ficar bem claro e, obviamente estou pensando na segurança das crianças e não em qual modelo de celular é melhor ou pior.

  1. Android – De todos é o que eu considero menos seguro, se for Samsung então…  Todos os dados do Android ficam numa conta Google.  O Google usa nossos dados para nos monitorar 24h por dia.  Motivo? Simples, o google ganha dinheiro com propaganda e, quanto mais ele souber sobre seu estilo de vida, onde você vai e o que você faz, mais assertivo ele será nas ações de publicidade dele.  Além do que, nossos pequenos são uma criatividade só ao estabelecer senhas (123456, data de aniversário, nomes simples) enfim, tudo muito facilmente desvendado por qualquer um (nem precisa ser hacker não).  Depois que a senha está descoberta, você ficou absolutamente vulnerável.  Quando falamos de crianças, isso se torna potencialmente mais perigoso.
  2. IOS (Apple/IPhone) – É possível se criar conta familiar e mesmo uma única conta para mais de um aparelho.  Desta forma, é possível saber, por exemplo, o que seu filho está baixando, quem ele está adicionando na lista telefônica, o que ele está jogando e as anotações que ele está fazendo. Ah, o serviço Busque do Iphone é perfeito e você pode controlar a localização do seu bebê e até mesmo mandar um alarme sonoro, mesmo que o som do telefone esteja desligado.  O grande problema é que são aparelhos caros e muito visados por ladrões e, em algumas situações, por engraçadinhos mesmo dentro da escola.
  3. Windows Phone – O controle de pais é o melhor que eu já vi.  Você tem absoluto controle do que a criança pode instalar, dependendo da situação, ainda exigir a sua aprovação para que o aplicativo baixe no celular de seu filho. São aparelhos, em geral, com resistência boa e com preços bem convidativos.  Porém, as crianças não são muito fãs não…

 

Celular na mão, começou a dor de cabeça… Seu filho passará horas sem estudar falando com amigos.  Neste momento é bom estabelecer regras, para que o celular não torne um tormento para pais e filhos.

Saiba sempre a senha de seu filho, principalmente os menores, e dê incertas para ver o nível das conversas que ele está tendo.  Adianto que ano passado tive um susto quando fiz isso no celular da minha filha, então com 10 anos.  É bom fazer isso 2 vezes por semana.

Conheça as novas redes sociais, entre nelas, saiba como funcionam.  O maior problema é que os pais, por desconhecerem, não conseguem orientar as melhores formas de utilização das ferramentas.

Converse sistematicamente (principalmente com meninas) sobre os falsos perfis de pedófilos, como agem, mostre cases (se achar necessário).  Infelizmente nossos filhos acham que somos os porta-vozes do apocalipse e que as coisas que falamos são tão irreais quanto a existência de super-heróis.

Para educadores, o desafio está em manter a ordem na sala de aula.  A dica que eu dou é para que eles utilizem as redes e fiquem próximos de seus alunos.  Peçam atividades pelas redes sociais, crie canais de comunicação utilizando ferramentas alternativas.  Além de educativo, prenderá a atenção dos adolescentes…

Toda rede social tem FILTRO DE PRIVACIDADE, oriente as crianças a usarem, a não adicionarem de forma nenhuma quem não conheçam, a reportar a vocês qualquer ação estranha ou suspeita.  Atenção também ao Cyber Bullying, que acontece de várias formas e maneiras, principalmente em salas de jogos online.

Esta palestra abaixo foi ministrada para algumas escolas, com o intuito de mostrar para educadores quais as redes sociais mais usadas e perigosas para os adolescentes.

Lembre-se: A melhor forma de vencer o inimigo, é conhecendo todos os seus pontos fortes e fracos.

Gestão de Pessoas: O que eu aprendi com meu filho Autista

Postado em Atualizado em

Dia 2 de Abril comemoramos o Dia da Consciência do Autismo. Essa data é especialmente significativa para mim, pois tenho um filho que hoje tem 15 anos, que é autista. Ao longo de todos esses anos de convivência, aprendi muito mais com ele do que, certamente, ele comigo.

Quando ele nasceu, começava minha vida profissional com apenas 22 anos. Ao longo da minha carreira, fui me adaptando à condição de mãe de criança especial e executiva super ocupada… Muitas vezes a paciência me faltava com ele, por conta de suas limitações. Até que, através da terapia dele, comecei a perceber que o autismo poderia me ensinar a ser uma gestora mais justa, mais humana e mais assertiva, desde que fosse assim também com meu filho. Desta forma, me transformei… Não foi fácil, não foi mágica… Ainda é muitas vezes doloroso… Mas, depois de quase 10 anos dentro desta consciência, posso dizer que ele me tornou uma pessoa muito melhor, em todos os sentidos. Abaixo cito algumas mudanças que me adaptei por esta minha realidade e que aplico na minha vida profissional e que me ajudam na condução de times fortes e altamente competitivos.

  • Mesmo que as pessoas não estejam olhando para você, mantenha o contato visual. Passa confiança e, aos poucos, ele se torna sustentação nos momentos de fraqueza do seu interloctor.
  • Esqueça qualquer tipo de estereótipo. Não julgue jamais alguém por suas atitudes, principalmente se elas forem diferentes do que a sociedade impõe. Inclua sempre! Trabalhe os diferentes de forma a ressaltar-lhes suas competências!
  • A verdade pode ter várias faces. Ponderar e equilibrar todas elas para um posicionamento mais justo é sempre o mais assertivo.
  • O combinado não sai caro. Ajustar acordos previamente evita frustrações.
  • A metáfora e a linguagem figurada não devem estar no nosso diálogo, muitas pessoas podem não entender o que queremos dizer, principalmente num coaching.
  • Explicar de formas diferentes a mesma coisa pode nos fazer compreender as diversas formas de um mesmo entendimento. A teoria pode ser desenvolvida a partir de várias óticas, normalmente as menos óbvias, são as que trazem resultados mais inesperados. 
  • O normal é ser diferente. 
  • A inteligência não é como conhecemos. O fato de minha visão ser diferente dos outros, não significa que eu esteja errado. 
  • As vezes se isolar, faz parte de uma reciclagem. Agir e pensar são dois movimentos completamente independentes. Respeitar este isolamento é uma prova de amor ao próximo.
  • O pensamento pode te dar asas muito mais fortes na construção dos seus sonhos. Acreditar é o segredo para o sucesso. 
  • Palavras encorajadoras e de apoio são sempre muito bem vindas…
  • Movimentos repetitivos podem nos levar a perfeição. 
  • E daí se fazemos as coisas diferente dos outros? 
  • Persistência sempre. 
  • Dormir ou esperar um pouco para tomar decisões, faz com que algumas situações se tornem mais maleáveis para se resolver. 
  • O sofrimento é parte de nós, principalmente nas frustrações, chorar não é vergonha, é uma forma de expor nossos sentimentos e colocar para fora os sentimentos de incapacidade, segurar pode tornar a cicatriz eterna. 
  • O nosso caminho sempre estará em algum lugar, precisamos achá-lo. 

Além disso tudo, ter um filho autista me ensinou que posso ser muito mais forte, muito mais versátil e adaptável que podia imaginar, me mostra todos os dias que eles são seres muito mais evoluídos que nós e que estão aqui para nos ensinar!

Os Erros mais comuns dos Recém-solteiros

Postado em Atualizado em

Sobre esse texto:

Há alguns anos atrás eu criei um site chamado ME SEPAREI E AGORA?   O site visava dar dicas e tentar ajudar a quem estava sozinho por qualquer razão, principalmente decorrente de uma separação.  Este site tinha vários textos e esse texto sempre foi o mais lido e comentado.

Qualquer hora falo mais do projeto ME SEPAREI E AGORA? Agora aproveite a excelente leitura!

Vale a pena conferir!!!

Os Erros mais comuns dos Recém-solteiros por Carolina Kürsch

Pois é, meu caro leitor. Agora você está solteiro. Não bastasse o infortúnio de meses ou anos que foram por água abaixo, agora você se vê nessa difícil tarefa de recomeçar do zero.

Independente do que vá fazer a partir de agora, entenda: estar infeliz é natural. Portanto: não entre em pânico.
Este é o momento de ligar para seus amigos e amigas e dizer-lhes o quanto ele te sufocava e o quanto você tentou que desse certo. Diga a eles que não era pra ser, que seu mapa astral e sua astróloga já diziam que seus signos não combinavam. Diga que você sempre soube.

Depois de toda lamentação e tristeza que esta fase pode proporcionar, reserve alguns minutos para avaliar a situação. Quando digo avaliar a situação não estou sugerindo que faça isso com uma Tequila na mão, e sim que o faça no silêncio do seu lar. Um dos primeiros sintomas da recém-solteirice é o desespero por badalação e entrar em campo novamente atirando para todos os lados. Portanto, deixe-me lhe dar um conselho valioso: entenda seu momento de luto.

Com isso não quero dizer que você deva “curtir a fossa”, soluçar pelos cantos ou se entupir de chocolate, mas sim avaliar as coisas com uma outra perspectiva. Sei que estar psicologicamente preparado para levantar a cabeça e dar a volta por cima não é tarefa das mais fáceis e antes de qualquer coisa você deverá entender o que passou, para então projetar-se no futuro. Entenda que não existe felicidade sem tristeza e os dois sentimentos estão intimamente ligados nas nossas vidas. Para dar valor a um momento de felicidade, antes você deve ter passado por momentos de tristeza e talvez isso seja essencial para seu amadurecimento.

No intuito de ajudá-lo a superar essa difícil fase e alertá-lo dos perigos que ela poderá trazer a seu estado emocional, listei alguns erros mais comuns cometidos por recém-solteiros. São eles:

  1. Tentar reatar.
    Isso só piora as coisas. É difícil e frustrante perceber que tudo que havia sido construído acabou, mas sua felicidade não depende do seu ego ferido. Se vocês dois tentaram diversas vezes ficar juntos e mesmo assim não conseguiram, pare de tentar. Simplesmente não era pra ser.
  2. Se precipitar.
    Só porque você acabou de conhecer um homem ou mulher interessante, não quer dizer que ele ou ela será seu próximo amor. Achar que se apaixonou novamente pela primeira pessoa que lhe der carinho não é a solução para o seu desespero emocional.
  3. Auto-piedade.
    As lágrimas têm a excelente propriedade de libertar-nos da angústia, mas se você for do tipo que chora em público, por favor, pare já com isso. Neste momento você tem o alvará de chorar bastante no ombro dos seus amigos caso precise deste desabafo, mas não abuse. Além do problema ser somente seu, as pessoas não serão obrigadas a consolarem as suas lamúrias a qualquer momento.
  4. Ser ranzinza.
    O amor verdadeiro existe. Esbravejar e dizer por aí aos quatro ventos que não acredita mais no amor não te tornará mais forte.

E por fim, concentre-se em coisas que valham a pena, como seu trabalho, seus filhos, seus hobbies, ou qualquer atividade que lhe dê prazer físico e mental. Relaxe, pois o tempo curará todas as feridas. Ele é o senhor da razão.