Blog Luciana Telles

Quando o Emprego dos Sonhos se Torna o Maior Pesadelo

Postado em Atualizado em

Quem nunca passou por isso…  A felicidade e a motivação diária de ir trabalhar, de produzir, de estar com amigos e colegas de trabalho repentinamente mudar para um processo de esgotamento físico e psicológico.

Nestes meus quase 20 anos de profissão já vi isso acontecer algumas vezes com várias pessoas, por vários motivos e situações distintas.  Ultimamente percebo uma tendência muito grande deste tipo de acontecimento.  Recebo muitos emails de pessoas relatando situações de transtornos causados por mudanças repentinas na atmosfera corporativa.

Passei pessoalmente por isso algumas vezes.  Normalmente esta mudança repentina está associada à mudanças de gestão.  Chefes despreparados quando assumem seus novos times acham que mostrar trabalho é carregar uma foice e um tridente para aterrorizar os funcionários e acabar com o clima da empresa.

Tanto já vivi mudanças no clima da empresa por mudança de gestor como por mudança de comportamento do próprio gestor.

Em uma experiência aceitei fazer parte de um projeto.  Me encantei na entrevista.  O CEO da empresa foi absolutamente encantador, entusiasta, sincero e carismático.  Nossa, como fiquei feliz em receber a notícia de ser aceita por essa empresa.

Não estava errada, o projeto era novo, entraram comigo 10 gerentes para este projeto e os dois diretores que estavam na linha de frente tinham o poder de motivar e fazer a grande engrenagem se mover rapidamente.

Trabalhávamos num escritório virtual, tudo apertado, sem nenhum conforto.  Ficamos nesta situação por 3 meses, tempo necessário para nosso escritório ficar pronto.

Neste tempo fui promovida.  Mas, a primeira surpresa…  A promoção veio somente com acréscimo de função, não de salário. A proposta é que eu trabalhasse 3 meses para aí sim receber um acréscimo de valor.  E quando finalmente o valor veio…  :/ Mas, td bem…  O importante é que eu estava feliz e fazendo o que eu gostava, numa empresa que estava apostando muito.

Assumia então, além da pasta de marketing, a pasta de operações.  Nesta nova função cuidaria também da operação das nossas 5 unidades e das novas unidades que estavam sendo inauguradas, numa velocidade média de 2 por mês.  Em operação devemos ficar atentos o tempo todo, principalmente quando existe uma equipe na ponta que depende de seu suporte.  Ficava disponível para a minha equipe do momento da abertura até o fechamento de todas as unidades.  Preparava os lançamentos, desenhava o novo manual de operações e treinamento de equipe, ajustava padronização, contratava pessoas para as novas unidades, revisava todos os processos, redesenhava as estratégias comerciais, escopava o novo site de vendas, idealizava a maior campanha de marketing que a empresa teria (ok, ok, me orgulho muito deste projeto rsrsrsrs 300% da meta em 75% do tempo estimado para a campanha), gerenciava todos os processos operacionais e de marketing, trabalhava de 5 da manhã às 23h e estava absolutamente feliz.  Quase não dormia.  Ficava online inclusive sábados e domingos, pois a operação não parava, as demandas da minha equipe também não.

Nos mudamos para o nosso escritório definitivo.  Não foi só a mudança física que aconteceu.  O escritório era incrível, de frente para o mar, tudo novinho, super confortável. Porém, algo mudou a alma da empresa.  Mesmo estando confortáveis e sem o aperto do escritório virtual alguma coisa tinha transformado a gestão.

Um dos diretores (não sócio) saiu repentinamente, praticamente dias após a nossa mudança e comecei a perceber que o emprego de meus sonhos começava a se tornar o meu maior pesadelo.

O CEO, antes agradável, simpático, entusiasta, enloquente e motivador se tornou rancoroso, introspectivo, grosseiro.  Tinha perdido seu brilho e seu encanto. Palavras e mensagens grosseiras e ameaçadoras, humilhação, acareação, assédio…  esse era o dia a dia na empresa.  E era o dia todo assim.  Quando ele viajava e não ia… ui…. que alívio!

Virou piada interna entre os gerentes quando ele chamava na sala dele qualquer um de nós gerentes, um dava força para o outro dizendo: Ainda bem que é você e não eu…  Pois é…  Era duro…. Mas, tentávamos amenizar fazendo piada da nossa desgraça rsrsrs.

Passava mensagens de madrugada, ligava e exigia comprometimento quando ele entendia que era prioridade. Muitas vezes a prioridade eram assuntos completamente banais e sem um senso de urgência racional. Lembro de uma vez que ele me ligou às 23:50h para dizer que a quantidade de seguidores do facebook tinha caído repentinamente e que eu só podia desligar quando resolvesse.  Expliquei que o Facebook às vezes faz essa limpeza e que era normal, que não teria ingerência nisso, que poderíamos abrir uma ocorrência e aguardar o feedback, mas falando firmemente e de forma enfática ele dizia que não aceitava essa desculpa.  Finalmente às 2:40h, depois de esgotado todos os meus argumentos e de ter enviado mensagem até para o Mark Zuckerberg ele me deixou dormir.  Porém, meu sono foi interrompido novamente, desta vez por uma situação de emergência numa das unidades às 5h da manhã.  Às 9h a resenha recomeçou e assim foi evoluindo…

Aos poucos esse clima foi minando alguns funcionários que saíram por conta do comportamento desta pessoa, que na entrevista se mostrou tão maravilhosa.  Heads de 5 áreas saíram num prazo de 6 meses após a mudança de clima e a empresa tomou outro estilo de gestão, absolutamente autocrata, onde a criatividade e a produtividade deram espaço para o chicote e falta de energia.  O sorriso se esvaiu dos rostos dos funcionários e a motivação de ir trabalhar deu lugar aquele peso nos ombros de dez vampiros nos sugando.

Esse é apenas mais um caso clichê do dia a dia dos ambientes corporativos do Brasil.  Depois que escrevi o texto A incrível geração de gestores sem educação, onde citava a experiência (des)vivida por um amigo meu, recebi centenas de emails e mensagens relatando situações similares…

Infelizmente muitas pessoas ainda aturam esse pesadelo por falta de opção, pela falta de empregos que estamos passando nesta crise louca.  Em outras situações, quem seria o descartado seria o tomate podre que contaminou toda a cesta, não o contrário.

O maior problema é que essa situação compromete a saúde dos funcionários.  Uma empresa com esse tipo de clima tem funcionários com mais possibilidades de adoecer, aumenta as faltas e até mesmo o abandono de emprego, principalmente em níveis mais operacionais.  Sem obviamente falar da queda da produtividade.

Rezo para a economia dar um suspiro, rezo muito, de verdade, tipo uma reza forte!  Empresas que adotam esse tipo de gestão vão se engasgar com a falta que seus bons funcionários irá fazer.  Enquanto isso não acontece, vamos acreditar que tudo vai dar certo! Estejamos positivos!

 

Até a próxima! 😉

 

 

 

Anúncios

Escolhas… A interminável tarefa de errar!

Postado em

Desde muito novos somos obrigados a exercitar diariamente a capacidade de escolher.  O mais incrível disso é que, por mais que pratiquemos, nunca adquirimos a excelência.  Sempre há fatos, informações e sentimentos novos que nos impedem de usar a tão sabida experiência em busca da assertividade.

Errar é bom.  Aliás, errar é ótimo!!!  Dá uma vontade absurda de não fazer de novo, né?  Só vontade!

O ser humano é construído por erros, muito mais do que por acertos.

Às vezes imagino que talvez tenhamos sido criados para errar mesmo, daí nos tornamos mais ou menos capazes de transmutar estes erros, tornando-os cada vez menos óbvios.  Sei lá, acho que talvez sejamos somente criados para errar mesmo e acabou.

Talvez a gente viva a vida tentando fugir dos erros, talvez a vida passe o tempo todo fazendo questão de os encontrar.  E o pior que sempre encontra, a cada esquina, a cada mensagem, a cada favor, a cada empreender…  sempre encontra!

O fato que às vezes cansa.

O pior é quando além de cansar, fere.  Pior ainda é quando a ferida não cura…

É… 

Podia ser mais fácil.  Podia ser um jogo de RPG.  Podíamos estar somente jogando The Sims, onde os erros seriam propositais, qualquer coisa era só não salvar o jogo e recomeçar do último acerto…  Mas, não é assim tão fácil.

À medida que envelhecemos, o peso destas más escolhas vai se tornando um pouco mais denso.  To nesta vibe… 

Irc…  não deveria estar.  Gente mal humorada é chata pacas!  Será que estou me tornando chata?!

Ah, vai…  Talvez tenha sido mais uma má escolha sentar para escrever hoje…  Agora já era, foi para a coleção, mais um errinho não vai pesar tanto assim… Até o próximo erro, ou quem sabe um acertinho só para variar…

ok, ok, ok, vou ali apertar o botão resetar e já volto! 😉

Muito Bela, Pouco Recatada e Nada (Absolutamente Nada) do Lar!

Postado em Atualizado em

As polêmicas sempre aparecem, as pessoas sempre se identificam com um estereótipo vendido pelas mídias…  A mulher magra, inteligente, bonita e fofa…  E daí se eu não for assim!  E daí se eu quiser continuar sendo eu mesma.

ATO 1:  Muito Bela

Há muito precisei trabalhar minha auto-estima.  Sempre brigando com a balança.

Lembro de aos 14 anos, no auge da minha adolescência, numa boite domingueira dos anos 90, escutar 2  rapazes muito bonitos falarem para mim:  “Que rosto lindo, pena que é gorda!”…

Lógico que como toda adolescente noiada, cortei café, almoço e janta para não cortar os pulsos!

Mas, isso passa!  Aliás, se tem uma coisa que acontece na vida, é que tudo passa!

A gente passa a aceitar mais (um pouco mais, tá certo!) como somos e trabalhar em nós mesmo a auto-estima. Ou procurar urgente soluções para o que nos incomoda.

Hoje sei que sou bela.  Na minha beleza com rugas, cabelos brancos e pneuzinhos e celulites espalhados pelo corpo.  Cada dia que me sinto incomodada com algo, resolvo…  Vou ao cabeleireiro, faço uma dieta, frequento a academia ou até mesmo aplico um botox.  Sou bela, enquanto me achar bela.

 

ATO 2: Pouco Recatada

Falo alto, canto enquanto dirijo, no banho ou quando quero, falo palavrão e ligo o disque-Foda-se de vez em quando, não me faço de fofa, nem bajulo a todo mundo.  Sou do estilo ou ame ou odeie.

Sou eu mesma!

Ah… Ok…

Meu pai nunca deixou eu sair a noite sem que ele soubesse (E APROVASSE) com quem.  Apesar de ter passado para faculdade em SP, meu pai não me deixou ir para não ficar sozinha no meio de muitos homens (engenharia mecatrônica).

Nunca fiquei bêbada, aliás eu nem bebo…

Meus namorados, conto talvez em uma só mão.

Não uso roupa curta (até pq meu corpo não permite), sei conversar de inúmeros assuntos e até tenho a educação de disfarçar e ser uma excelente DAMA.  Sou quase recatada… mas, não muito.

Dane-se!!!  Prefiro ser louca do que ser triste!!!!!

Amo ser eu!  Falando alto, sarcástica, engraçada e às vezes rude!  Onde está escrito que eu, euzinha, tenho que ser como os outros querem?

 

ATO 3: Nada (Absolutamente Nada) do Lar

Desde muito nova, meu pai nunca permitiu que eu fizesse nada em casa, no máximo era a louça da janta 2 vezes por semana.  Certo ou errado, o discurso dele era que eu não podia perder tempo de estudo.  Que tinha que aproveitar meu potencial, minha inteligência e facilidade de aprender…  Que tinha que ser preparada para trabalhar  e ser independente.

Nunca cozinhei, nunca lavei, passei ou organizei minha casa.

Sempre trabalhei.  Tive 2 filhos e obvio tive ajuda, muita ajuda!  Minha mãe, minha avó, minhas tias, meu pai…  sempre estiveram por perto quando as minhas competências nada desenvolvidas para afazeres domésticos comprometia a organização e a minha rotina.

Foquei para me tornar independente.  Aos 27 anos já era executiva de banco.  Aos 35 já me tornava diretora.

Quando me separei, consegui me manter sozinha com meus dois filhos, sem comprometer a minha independência.

Me viro nos trinta, nos quarenta e nos 50, só não me peça para arrumar e ser do lar.  Enlouqueço, de verdade!

 

Não sou nada, absolutamente nada do lar, sou independente e tenho orgulho disso!

 

ATO FINAL: A Mulher Perfeita

A mulher perfeita, ideal e sem igual é aquela que somos por dentro.  Aquela que pensa e age com sua natureza, não se subjuga ao que lhe ofende e a que se sente feliz com suas escolhas.

Sou a mulher perfeita para mim, se o deixar de ser, me transformo novamente em mim e fim!

 

#belarecatadaedolar

*******************************************************************************************************************

Se você quer contribuir na manutenção e divulgação do site, abaixo links (PAGSEGURO) para doação! Gratidão!!!!!

Para doar R$ 5,00

Para doar R$ 10,00

Para doar R$ 25,00

Para doar R$ 50,00

Para Doar R$ 100,00

Olá, Pessoal

Postado em Atualizado em

Luciana Telles CMO
Luciana Telles – CMO

Sejam muito Bem-Vindos ao meu blog.  Aqui é o espaço para conversarmos sobre carreira, projetos, dicas, conselhos corporativos e pessoais e compartilhar um pouco da minha vivência de mais de 15 anos no mundo corporativo e também como tem sido administrar a minha carreira com filhos, marido, casa, lazer e amigos…

Tentarei abordar temas variados, que consigam enriquecer e ajudar com dicas e experiências vividas.

Ah… Se você quiser saber um pouco mais sobre algum tema específico, me envie um email que eu vou tentar passar minha experiência sobre ele.

O grande segredo desta página é a troca de conhecimento e experiência.  Portanto, participe!