novos negócios

De volta ao meu aconchego!

Postado em

O bom de recomeçar é que você pode corrigir todas as suas falhas anteriores, estar mais forte e preparado para novos desafios e ainda mais motivado a vencer… Recomeçarei sempre que precisar me reciclar. É a transmutação da minha existência e sou grata por isso! Por mais doloroso que às vezes pareça, os ganhos são absolutamente incalculáveis e toda essa transformação ajudam a não criar tédio de mim.

Estou recomeçando…

Há 4 anos e 3 meses, tomei uma decisão que mudou completamente a minha vida e a de meus filhos. Decidi me mudar do Rio de Janeiro para Recife.

Estava ocupando uma posição profissional que sempre sonhei, como CMO de uma start-up recém investida de um grande grupo, montando time, estruturando negócio e com várias expectativas!

Em Setembro de 2012 fui visitar a família de meu marido em Recife e criamos uma expectativa de irmos para lá como empreendedores de um negócio de família.

Em outubro já estávamos lá de mala, cuia e meninos…

Morar de frente para a praia, num apartamento gigante e por um preço de zona norte do Rio foi um bom incentivo.

Mesmo estando em período letivo em andamento, consegui uma escola de referência para as crianças estudarem e comecei a estruturar comercialmente o negócio que me trouxe aquele lugar.

A receitinha de bolo eu já sei… Transformar a empresa numa referência do Brasil foi bem rápido e fácil… Fiz isso tantas e tantas vezes para tantas empresas… O crescimento foi exponencial, chegou a 700% em 3 meses. Saímos de reles desconhecidos ao top 5 nacional.

Lógico que nem tudo são flores… A empresa ficava no interior. Eu ficava na capital para facilitar minha vida com as crianças. Meu marido ficava na empresa, ficava sozinha numa cidade estranha, sem amigos e sem minha família. Nos fins de semana ainda íamos para a empresa de 15 em 15 dias para o plantão de atendimento. Cansativo.

Como todo empreendedor, trabalhei como nunca. Não havia fim de semana, não havia feriado e não havia nem dinheiro… Tudo que entrava, tinha que ser reinvestido. A empresa estava em crescimento, os ativos muito caros e não tinha muito o que fazer.

Obviamente precisei voltar para o mercado para complementar minha renda, trabalhava de 8 às 18h num emprego e ainda tinha o segundo e terceiro turnos até de madrugada. Atendia todos os clientes da nossa empresa, mandava orçamentos, tirava dúvida, fazia campanhas… O comercial e marketing era todo centralizado em mim.

Aprendi algumas coisas com essa experiência… A principal dela é que um negócio só vale a pena se o sonho também for seu. Não adianta embarcar no sonho dos outros. A empresa ainda existe, mas saí da operação dela depois de 2 anos neste pique. Não fazia parte dos meus sonhos.

Ainda empreendi novamente em Recife, montando uma agência de marketing digital. Deu certo por um tempo, mas a crise em 2015 fez com que a inadimplência dos meus clientes fosse determinante para a não continuidade de um negócio ainda embrionário. Ao mesmo tempo, recebi uma proposta de voltar ao mercado fazendo o que eu gostava muito e resolvi parar com a agência antes que me desse prejuízo.

Empreender requer uma série de cuidados, mas nos ensina muito, muito mesmo.

Em agosto de 2016 meu marido recebeu um convite para voltar ao Rio de Janeiro e aproveitei essa oportunidade para organizar minha volta. Novamente, estava empregada lá, as crianças em período letivo e, desta vez, tive que adiar minha volta para terminar o ano em Recife.

E cá estou! Pronta para recomeçar… As expectativas são de voltar ao ponto que parei em 2012. Retomar minha carreira com start-ups, tecnologia, marketing e desenvolvimento de negócios.

Sei que o mercado não está para peixe… E daí?! Posso ser um golfinho, que mora no mar, não é peixe e está sempre feliz e motivado! 😛

O fato de estar aberta a oportunidades faz o recomeço ser bastante rico. Não tenho tempo de ficar parada. Se recomeçar é preciso, que seja com boas energias! Eu acredito!

Seja bem-vindo, 2017!

Que se iniciem os jogos! 😉

Anúncios

Novo vício a ser tratado: DEPENDÊNCIA POLÍTICA

Postado em

Infelizmente percebo que a grande parte da população foi condicionada, através de um governo paternalista, a depender de seus governantes e a se acostumar a ter o peixe pescado em cima de sua mesa…  As pessoas perderam o condicionamento de lutar pelo que querem, principalmente os mais humildes…  As pessoas desaprenderam a pescar!

Porém, esta relação simbiótica (uma relação mutualmente pequena, na qual, dois ou mais organismos diferentes são beneficiados por esta associação) se torna pobre nos resultados e cria uma relação viciosa entre as partes, sem ganhos para a parte menos favorecida.

Este processo afeta muito a população carente, mas também afeta pequenos empreendedores de cidades mais afastadas dos centros urbanos, onde a dependência política é mais que um vício, acaba virando epidemia.

Recentemente participei de uma reunião com micro e pequenos empresários do setor de turismo de uma região de Pernambuco, juntamente com entidades do governo e de negócios.    O objetivo era entender as maiores dificuldades destes empresários e tentar eleger prioridades e projetos emergenciais para ajudar no retorno da competitividade da região.

Nas rodadas de negócios, pude perceber que todos reclamavam que seu município estava entregue as traças, com uma baixa muito grande de turistas, inseguraça, problemas, problemas e problemas…  Todos os empreendedores colocavam nas costas do governo 100% de suas frustrações.   Porém, conforme a reunião transcorria, os problemas surgiam dentro de uma mesma temática e uma queixa me chamou a atenção.  Todos reclamavam que o prefeito tinha cancelado a festa de São João, uma chance maravilhosa do setor de faturar num mês de baixíssima procura.  O prefeito alegava falta de verba, que se pagasse a festa, faltaria para os salários.

Pedi a palavra e perguntei: Por que vocês não se reúnem e promovem uma festa dos empresários, uma festa de parceria, trazendo inclusive cantores locais para se promover, as quitudeiras da cidade vendendo suas comidas e os artesãos suas peças.  Um silêncio invadiu a sala.  Por que não? Por que não parar de pensar no problema para agir com a solução?

Percebi os olhares meio culposos, os pensamento tão altos que podia escutá-los…  Para aliviar o mal estar contei-lhes uma história para exemplificar, de quando eu era criança e morava no subúrbio do Rio.  Uma vez um morador da rua onde eu morava resolveu que ia (SEM DINHEIRO) estruturar a melhor festa de rua da cidade.  E assim, com esse pensamento, ele promoveu parcerias com empresas de bebidas para fornecer as barracas, fechou com cantores em início de carreira para se auto-promoverem, recolheu patrocínio e doações dos moradores para a decoração, convocou a vizinhança a montarem as barracas com doces, salgados e brincadeiras.  O primeiro ano de dureza se transformou numa festa que teve sua duração prorrogada, devido ao sucesso e a garantia de 10 anos de existência, inclusive com cantores de grande expressividade nacional.  A força da parceria e da iniciativa privada realizaram o evento, nada foi empecilho.

Ou seja, quem quer, faz por onde acontecer.  Não coloca a culpa nos outros e se torna protagonista da sua própria existência.

O mercado em crise clama por novidades, por parcerias, por rateios, por novas formas de se fazer negócios.  Que tal pensarmos em formas de acabar com essa dependência política que estamos vivendo…  Sejamos mais!  Sejamos vencedores!