jovens

Qual a Importância de uma Análise de Perfil na Escolha da Profissão Certa?

Postado em Atualizado em

Quantas pessoas do seu convívio largaram a faculdade por entenderem que aquele não era o caminho certo para elas?

Quantas que você conhece trocaram de curso porque viram que aquilo não era o que gostariam de fazer para a vida?

Quantos profissionais frustrados em suas funções você conhece?

Quantas pessoas decidiram mudar de carreira, depois da vida estabilizada, com a desculpa de finalmente ser feliz trabalhando?

Pois é, na maior parte das vezes, essa desistência, frustração e senso de não pertencimento está diretamente relacionado a inadequação do seu perfil à sua carreira. Ou talvez a falta de adaptação do seu perfil às funções da carreira escolhida, seria o mais correto a se dizer.

Temos competências originais, aquelas que nasceram conosco. A partir do momento que as conhecemos, podemos decidir com mais assertividade o caminho a seguir. Até mesmo conseguimos decidir quais competências desenvolver ou não para a adequação do nosso perfil às necessidades do meio.

Já conheci pessoas que fizeram a faculdade por influência dos pais, sem terem absolutamente nada a ver com aquilo que estavam estudando.

Qual o resultado disso????

Pessoas perdidas, evasão dos cursos, formações tardias, estresse, desmotivação, ansiedade e depressão.

Eu particularmente, fiz 3 faculdades e até agora 4 Pós/MBAs. Talvez por uma falta de orientação no início. Hj, por me conhecer, já consigo complementar minha formação para ajuste do meu perfil às minhas necessidades profissionais. Mas já fui muito infeliz e impotente quanto ao meu caminho profissional.

Conversei com um amigo hoje, ele trabalha numa universidade federal. Ele me deu um dado alarmante: só esse mês de julho de 2019, a coordenação que ele trabalha (apenas 2 cursos), recebeu 28 solicitações de cancelamento de matrícula. Alarmante não?

Analisemos os transtornos:

  • Em se tratando de universidade federal, essa pessoa ocupou a vaga que poderia ser de outra pessoa com perfil mais ajustado, gastou dinheiro público em vão.
  • Olhando com ótica da pessoa, perdeu n semestres que não poderão ser recuperados, já que ainda não produzimos uma máquina do tempo, se sentiu frustrada, desmotivada e muitas vezes a ansiedade e depressão vieram até como originador da desistência.
  • O senso de não pertencimento aquele grupo, por ser uma das necessidades básicas do ser humano, gera transtornos sérios, que podem reverter em questões de saúde.

Ser reconhecido, uma outra necessidade do ser humano, está também diretamente relacionado às suas competências, ao que vc faz e pode fazer de melhor. Como chegar a esse ponto se você não se identifica com a carreira? Como vc dará o seu melhor para aquilo que não pertence, não se ajusta a ti?

O autoconhecimento gera o autodesenvolvimento. Conhecer-te cura!

Sabendo das minhas competências, dos meus pontos de melhoria e das minhas qualidades originais, sou capaz de ir mais além!

A Harvard conduziu um estudo, onde identificou que a esmagadora maioria das desistências dos cursos universitários estão relacionadas à inadequação de perfil e a carreira escolhida pelos pais. São dois motivos muito claros de não conhecimento de perfil.

Eu sempre orientei meus filhos de acordo com o perfil deles, é importante que eles saibam suas competências e como agem sob pressão para criar um background de tolerância à desmotivação natural da rotina de trabalho/estudo.

Por exemplo, o perfil comportamental do meu filho, é considerado um perfil raro. Somente cerca de 2,5% da população tem o perfil CA (Comunicador Analista). As características genéricas dos perfis de comunicador e de analista são antagônicas. Entendendo o perfil do meu filho, consigo prepará-lo melhor para esse duelo interno entre essas duas forças que habitam nele. Conhecer seus limites é super importante para a potencialização dos resultados dele.

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas.

Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória obtida sofrerá também uma derrota.

Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

(Sun Tzu)

A análise comportamental assessment tem uma importância muito grande no direcionamento profissional de pessoas com carreira estabilizada, visto que orienta e extrai detalhes importantes para o aprimoramento de carreira.

Para jovens em início de carreira, essa análise pode ser determinante na orientação assertiva do caminho profissional a ser seguido. Imagina que um jovem de 17 anos ainda não possui ferramentas suficientes para entender o mercado de trabalho e uma análise de perfil com um foco na carreira.  É um presente que gostaria de ter recebido quando, aos 17 anos, fui forçada a escolher o caminho da minha vida!

Além dos 4 perfis básicos, o assessment avalia perfis compostos, gráficos, roda de competências, mapa de talentos, além de diversos indicadores motivacionais e situacionais que auxiliam no direcionamento do perfil.

Minha filha tem 15 anos e tem muitos amigos na idade de 16 a 18 anos, todos no ensino médio. De observar certas atitudes, já consigo perceber características natas de perfis específicos e muitos deles estão pensando completamente antagônico ao perfil original deles. O que isso significa? Basicamente que serão candidatos potenciais à evasão universitária nos 2 primeiros anos de faculdade.

Imagina um analista nato (concentrado, calmo, introspectivo, calado, discreto, retraído, rígido, direto, detalhistas e perfeccionistas) que decide fazer jornalismo. É possível?  Claro que é!!!!  Mas, ele precisa entender o perfil dele para que, ao entrar na faculdade, não se sinta um peixe fora d’água.  Ele, ao se conhecer e suas habilidades, poderá extrair mais da carreira escolhida e seguir um nicho mais ajustado dentro da profissão.  O não pertencimento será substituído pelo entendimento das suas skills, potencializando e se tornando possivelmente um diferenciado na sua área, gerando talvez com isso até mesmo um maior reconhecimento profissional (Estratégia do Oceano Azul – criar oportunidades pouco exploradas).

Obvio que é elucidativo em qualquer fase de carreira e de vida, mas ao orientar jovens, a metáfora mais adequada que encontro para demonstrar meu prazer em trazer essa informação a eles é a de dar à luz.  Eles saem da sessão cheios de planos e com ideias mais claras do caminho a ser percorrido.

Sou apaixonada por perfis comportamentais, mas orientar jovens realmente me traz alegria para a alma!

 

Luciana Telles – Profissional Certificada como Consultora de Perfil Coportamental pelo IBC (Instituto Brasileiro de Coaching) pelo método Disc Assessment.

Anúncios

Redes Sociais e Educação – Um Desafio para pais e educadores

Postado em

Cada vez mais cedo nossas crianças estão tendo acesso às novas tecnologias.  Desde bebes, pais fornecem seus celulares com o objetivo de suas crianças ficarem enfeitiçadas vendo videos de Galinha Pintadinha e similares.

Nossos pré-adolescentes já não conseguem viver sem WhatsApp, Facebook, Instagram, e muitos outros, que nós, adultos muitas vezes nem conhecemos… Imagina a próxima geração que vem por aí!!!!

Com a internet invadindo as relações cotidianas, vários conceitos precisam ser revistos.  Por exemplo: qual idade ideal para que a criança tenha um smartphone? Quais redes sociais devem usar? O que é o certo e o que é errado?  Principalmente: PAIS E EDUCADORES ESTÃO PREPARADOS PARA ESTA NOVA REALIDADE?

Na verdade, é um grande desafio, mesmo para pais conectados, administrar as farinhas com seus dedinhos super ágeis utilizando de forma intensa todos os aplicativos e ferramentas digitais que a internet pode oferecer…

Além de trabalhar na área digital há muitos anos, tenho 2 filhos super conectados, com perfis de idade, utilização e aspirações completamente distintos.  Isso vem me ajudando muito a traçar o perfil de uso da molecada e, da maneira que posso, ajudar pais e educadores na orientação acerca deste tema.

Uma coisa já digo: Agora não adianta mais proibir!  Nossos filhos estão na rede!!!!  E, para que eles não virem comida para tubarão (pode parecer forte, e a intenção é essa mesmo!), é bom aprendermos a lidar com isso e transformar esse desafio em interação e facilitador para as relações super complexas entre pais e adolescentes.

Já que não adianta proibir, vamos à parte prática: Comprar um smartphone para o filho…  Ah, uma novela!!!! Principalmente porque as crianças tem amigos que vão levar os telefones mais mega fantásticos para a escola e seu filho não vai querer sair por baixo.  Independente de ceder ou não aos caprichos dos rebentos, é importante saber que existem sistemas e SISTEMAS em termos de controle e segurança.  Resumidamente e sem entrar muito no mérito, vou dar uma dica dos 3 principais sistemas operacionais existentes (e mais pedidos pela garotada). Ah, vou usar uma linguagem não técnica para ficar bem claro e, obviamente estou pensando na segurança das crianças e não em qual modelo de celular é melhor ou pior.

  1. Android – De todos é o que eu considero menos seguro, se for Samsung então…  Todos os dados do Android ficam numa conta Google.  O Google usa nossos dados para nos monitorar 24h por dia.  Motivo? Simples, o google ganha dinheiro com propaganda e, quanto mais ele souber sobre seu estilo de vida, onde você vai e o que você faz, mais assertivo ele será nas ações de publicidade dele.  Além do que, nossos pequenos são uma criatividade só ao estabelecer senhas (123456, data de aniversário, nomes simples) enfim, tudo muito facilmente desvendado por qualquer um (nem precisa ser hacker não).  Depois que a senha está descoberta, você ficou absolutamente vulnerável.  Quando falamos de crianças, isso se torna potencialmente mais perigoso.
  2. IOS (Apple/IPhone) – É possível se criar conta familiar e mesmo uma única conta para mais de um aparelho.  Desta forma, é possível saber, por exemplo, o que seu filho está baixando, quem ele está adicionando na lista telefônica, o que ele está jogando e as anotações que ele está fazendo. Ah, o serviço Busque do Iphone é perfeito e você pode controlar a localização do seu bebê e até mesmo mandar um alarme sonoro, mesmo que o som do telefone esteja desligado.  O grande problema é que são aparelhos caros e muito visados por ladrões e, em algumas situações, por engraçadinhos mesmo dentro da escola.
  3. Windows Phone – O controle de pais é o melhor que eu já vi.  Você tem absoluto controle do que a criança pode instalar, dependendo da situação, ainda exigir a sua aprovação para que o aplicativo baixe no celular de seu filho. São aparelhos, em geral, com resistência boa e com preços bem convidativos.  Porém, as crianças não são muito fãs não…

 

Celular na mão, começou a dor de cabeça… Seu filho passará horas sem estudar falando com amigos.  Neste momento é bom estabelecer regras, para que o celular não torne um tormento para pais e filhos.

Saiba sempre a senha de seu filho, principalmente os menores, e dê incertas para ver o nível das conversas que ele está tendo.  Adianto que ano passado tive um susto quando fiz isso no celular da minha filha, então com 10 anos.  É bom fazer isso 2 vezes por semana.

Conheça as novas redes sociais, entre nelas, saiba como funcionam.  O maior problema é que os pais, por desconhecerem, não conseguem orientar as melhores formas de utilização das ferramentas.

Converse sistematicamente (principalmente com meninas) sobre os falsos perfis de pedófilos, como agem, mostre cases (se achar necessário).  Infelizmente nossos filhos acham que somos os porta-vozes do apocalipse e que as coisas que falamos são tão irreais quanto a existência de super-heróis.

Para educadores, o desafio está em manter a ordem na sala de aula.  A dica que eu dou é para que eles utilizem as redes e fiquem próximos de seus alunos.  Peçam atividades pelas redes sociais, crie canais de comunicação utilizando ferramentas alternativas.  Além de educativo, prenderá a atenção dos adolescentes…

Toda rede social tem FILTRO DE PRIVACIDADE, oriente as crianças a usarem, a não adicionarem de forma nenhuma quem não conheçam, a reportar a vocês qualquer ação estranha ou suspeita.  Atenção também ao Cyber Bullying, que acontece de várias formas e maneiras, principalmente em salas de jogos online.

Esta palestra abaixo foi ministrada para algumas escolas, com o intuito de mostrar para educadores quais as redes sociais mais usadas e perigosas para os adolescentes.

Lembre-se: A melhor forma de vencer o inimigo, é conhecendo todos os seus pontos fortes e fracos.