motivacional

Conselho do Dia: Acostume-se a perder!

Postado em Atualizado em

Hoje vi uma postagem de uma amiga que me fez refletir sobre perdas…  Sempre nos fazem sofrer, quase nunca sabemos lidar com elas, mas deveríamos…

Você perderá o amor da sua vida, o emprego dos seus sonhos, a viagem perfeita, a casa maravilhosa, a roupa deslumbrante, o corpo sarado, a memória infalível, o sono, a saúde de ferro, muitas vezes, a paz, o equilíbrio e até mesmo a razão!

Você perderá aquela ligação que tanto esperava, o ônibus que vai passar direto, muito dinheiro, o celular e as chaves uma centena de vezes…

Perdemos diariamente. Somos derrotados às vezes diversas vezes no dia.  Isso já deveria nos deixar calejados…  Mas sofremos.  Sofremos muito mais que deveríamos.  Mas, estas perdas são transitórias, desde que saibamos lidar com elas – quase nunca sabemos.

Acho que a vida nos prepara para isso desde que somos bem pequenos, mas não nos damos conta… Há uma mensagem subliminar quando perdemos nossos dentes de leite. Nós os perdemos bem jovens e logo vieram outros para substituir, mais fortes, maiores e mais bonitos. O desconforto foi passageiro. Vivemos isso tantas vezes na infância, a cada queda de um novo dente.  Mas, obviamente não nos damos conta desta super dica, uma preparação para a vida adulta e sua sucessão de perdas.

Enquanto adultos, deveríamos lembrar disso diariamente: não importa qual seja a nossa perda, sempre virá o substituto, quase sempre muito melhor do que o anterior. Basta esperar.

Precisamos nos acostumar com isso. As perdas fazem parte do nosso crescimento.  O problema é a nossa velha mania do imediatismo.  Receita infalível para nos lascarmos! E como nos lascamos… O tempo todo!!!!

Precisamos saber de uma regra básica da vida:  AS PERDAS SEMPRE SERÃO RECOMPENSADAS E/OU SUBSTITUÍDAS.

Sabe o por quê? Simples. O amor é assim… Por mais que você o perca, ele sempre ressurgirá numa forma diferente!  Como ele pode se apresentar de inúmeras maneiras, precisamos deixar o amor sempre nos guiar.  O amor pode estar do nosso lado e de formas inusitadas.  O nosso sofrimento excessivo pode nos cegar e nos tolir de encontrar a felicidade.

Por isso, Perca tudo, sofra, chore (o chorar faz parte) mas, recupere-se logo, ame. Lembre-se de nunca perder a capacidade de amar! Isso reciclará a sua vida e amenizará a sua dor!

#keepthefaith #mantenhaafe #acredite #amor

Conselho – Adilson Bispo

Deixe de lado esse baixo astral
Erga a cabeça
Enfrente o mal
Que agindo assim
Será vital para o seu coração

É que em cada experiência
Se aprende uma lição
Eu já sofri por amar assim
Me dediquei mas foi tudo em vão

Pra que se lamentar
Se em sua vida pode encontrar
Quem te ame com toda força e ardor
Assim sucumbirá a dor (tem que lutar)

Tem que lutar
Não se abater
Só se entregar
A quem te merecer

Não estou dando nem vendendo
como o ditado diz
o meu conselho é pra te ver, Feliz

Anúncios

A Deficiência está nos Olhos de Quem Vê!

Postado em Atualizado em

Esse meu texto vai sair um pouco da linha corporativa, muito em função do que venho acompanhando de explosão de crianças especiais, microcefalia, autismo, down… O que o mundo está querendo nos dizer com tantos casos de crianças especiais???

Para começar a nortear esse texto, não acredito que um ser seja completamente incapaz.  Não acredito que NADA nasça sem um propósito, sem um objetivo. Seja ele para ensinar aos pais algo ou a si próprio.  Assim, mesmo que em estado vegetativo (Stephen Hawking está aí para provar que há muito mais numa mente de um corpo inerte do que podemos imaginar), crianças especiais têm muito a nos ensinar, principalmente sobre perseverança e fé!

Já comentei num outro texto, que assumir que tinha feito uma mercadoria com defeito, foi para mim um desafio, me custou algumas horas de análise, uma indisposição familiar e um casamento…

Sempre fui muito exigente comigo e com os que estão à minha volta e lidar com a pseudo incapacidade de um filho mexe com as estruturas de qualquer um.

Yan sempre foi diferente. Ao mesmo que tinha algumas situações de genialidade, vivia numa atmosfera própria, com seu ritmo, seu tempo e suas diferenças e “incapacidades”…

Somente quando ele tinha 10 anos que consegui fechar o diagnóstico de autismo.  Primeiro pensamento: Como autismo??? Ele fala! Super bem, super explicado!!!!

Pois é, o mal da gente é achar que sabe tudo… Os estereótipos estão aí para confundir e gerar preconceito.

Quantas vezes olhamos para um anão, paralítico ou cego com dó?!

E eu, que odeio vitimização, aceitação ou lamentos, tinha que entender que ter um filho especial não fazia de mim uma mãe pior, e dele um incapaz!

A incapacidade vem da falta de incentivo. Nunca aceitei que ele não poderia fazer algo.  Quando ele dizia que não conseguia amarrar o cadarço , malevolamente eu o deixava com tênis sem amarrar, a necessidade faz o aprendizado.  Quando ele dizia que não conseguia cortar o pão, saia da mesa e o deixava com o que ele precisaria para matar sua fome.  Maldade???? Não, amor!!!!

Esse amor fez dele um ser muito mais independente, seguro e auto-confiante, que hoje já sonha em morar sozinho, já se desenvolve numa profissão que já escolheu, mesmo estando somente com 15 anos!

Não acredito em incapacidade, acredito em falta de vontade e de apoio, que podem estar no mesmo sujeito ou na falta de sincronismo delas nas relações de pais e filhos, chefes e funcionários, filhos e pais idosos…

Vejo constantemente país de crianças especiais colocando seus filhos em redomas. A quem que eles estão protegendo? Uma criança que não come porcaria, não ganha anticorpos. Uma pessoa que não se exponha a riscos, não aprende. Uma pessoa especial que não recebe apoio, nunca sairá de sua ostra de personalidade.

O fato de uma criança ter microcefalia não significa que terá uma vida ruim. Idem para down, autismo, ou para qualquer outro tipo de deficiência(?)!

Vc pode escolher 2 caminhos:
1) se conformar e ceder à zona de conforto mais próxima: vitimização mútua, onde todos ficarão com pena da sua criança especial e você criará um ser dependente da sua pessoa para o resto da vida. Acredite: A criança vai ser feliz com sua felicidade e vai se acostumar a ter tudo na mão. Isso criará uma relação simbiótica, igual ao do jacaré que aceita que o pássaro coma seus restos de comida para ter seus dentes limpos. Duro? Pode ser, mas é a realidade!
2) ser o vilão da história. Aquela que exige, briga, se estressa, mostra das formas fáceis e difíceis o quanto vc acredita e apoia as competências do seu ser especial e espera para colher os frutos. Isso dá um trabalho triste!!!! Mas você corre um sério risco de ter um adulto especial que venceu tudo e todas as dificuldades da vida!

O maior psiquiatra do mundo da área de autismo é autista! Ele dá palestras no mundo todo e lida com crises não raras.

Dia desses vi a reportagem de um hotel que só tem funcionários com Down.

Alguns outros autistas conhecidos ou com suspeitas do diagnóstico, devido à comportamentos comuns ao espectro autista: Messi, Einstein, Mozart, Darwin, Bill Gates, Isaac Newton, Da Vinci, Michelangelo…

Aleijadinho, um dos maiores artistas que o Brasil teve era considerado incapaz.

Tom Cruise, Aghata Christie, Chrchill tinham dislexia.

Ray Charles, Stevie Wonder, Andrea Bocelli, Camões, cegos…

Bethoven compôs a maior parte de suas sinfonias já surdo…

Resumindo: a deficiência está nos olhos de quem vê…

E aí, Vai aceitar a deficiência do seu filho ou vai trabalhar as competências dele?????????