Mês: junho 2018

A Natureza da Dor

Postado em Atualizado em

O menino viu um casulo caído no chão. Dentro dele, uma borboleta tentava, sem sucesso, sair de sua casca, ávida pela sua nova vida enquanto borboleta.

Agoniado com o sofrimento da borboleta, o menino pegou uma vareta e começou a ajudá-la. Em poucos minutos ela se livrou daquele fardo. A ajuda do menino lhe economizou algumas horas de esforço, sofrimento e dores.

Porém, com a economia de tempo e de força para conseguir remover sozinha o seu casulo, a borboleta ficou insuficientemente forte e preparada para voar.

Passou o resto de sua vida no chão, escapando de ser pisada, pois sua asa não conseguiu ser preparada para voar. Não ficou forte o suficiente pela falta de esforço na saída do casulo.

Sim… é uma história forte e triste, mas que consegue nos passar alguns ensinamentos.

Mudar nossa natureza não é fácil.  Dói pra cacete!

Será que não devemos passar pela metamorfose em nossa vida para nos despir de conceitos falhos, que nos levam à erros durante nossa existência.  Mas dói, né….  E como dói!

Acredito que a cada nova fase, nos é dada a oportunidade de nos transmutarmos, entrarmos num novo casulo e ressurgir para uma nova vida, numa nova conceituação de vida.  Ressignificar pensamentos e ajustar rotas erradas que não nos levaram a lugar nenhum.

Agora entendo muito bem, que minha maior fraqueza sempre foi ficar sozinha.  Desde adolescente, esse pavor me rondava. Esse meu medo me fez escolher relacionamentos onde eu depositava no outro a responsabilidade de me fazer feliz.  Sempre contava que alguém fosse me tirar do casulo.  Saía enfraquecida, assim como aquela borboleta.

Machuquei e fui machucada.  Tive que sofrer para entender que, na verdade, o que me falta é aprender a ficar feliz comigo.  Estar bem comigo, significa dizer que, quando eu estiver 100% pronta, o relacionamento que eu tiver para durar, terá um vetor contrário do que sempre teve:  Eu estarei bem, feliz por mim e para mim e essa felicidade externalizará para quem estiver comigo.  Essa pessoa não terá a responsabilidade de me fazer feliz, somente de entrar nessa minha atmosfera de amor. 

No auge dos meus 41 anos, tenho o DESorgulho de dizer que tive 4 relacionamentos importantes para mim ao longo da minha vida.  Os 4 eu me frustei demais.  Recentemente, isso tem pesado.  Pesado tanto, que resolvi tentar me mudar, passar por uma metamorfose dos meus sentimentos, como a borboleta que sai do casulo.

Há 2 meses venho repensando em tudo isso. Tá pesado, doendo, difícil, mas não posso ser ajudada nesse momento.  Conseguirei sair sozinha do casulo, fortalecida e segura para poder voar.

Uma amiga me disse que minhas restrições (minha lista de requisitos para meu crush) podem afastar de quem pode me fazer feliz.  Mas aí está justamente o ponto.  Essa lista está me mantendo a uma distância de segurança de paixões erradas.  Ou quiçá das paixões certas no momento errado.

Notei que, o que realmente quero, ou pelo menos acho que quero, não é bom para mim neste momento.  A partir deste meu entendimento, melhor não me apegar a ninguém mesmo.  A substituição já me mostrou mais de uma vez que não dá certo.

Talvez eu esteja vivendo mais intensamente a minha fase solteira agora.  Isso talvez acabe afastando pessoas super legais, que não estejam no mesmo momento que eu. Quando eu acho que pode ser uma coisa legal, me apego nos defeitos que enxergo e me afasto da pessoa.  Já me redimo dos mal entendimentos que possa causar, estou saindo do casulo agora, não quero magoar, só quero me libertar.

Fugir da minha natureza não está sendo fácil.  Mas se alguma coisa na vida é fácil, certamente estamos fazendo do jeito errado.  O que é bom, chega com sacrifício e esforço.  É em cima exatamente deste conceito que vou endossar meu comportamento e minhas atitudes, mudando minha natureza original e tentando viver a vida de uma nova forma.  Aprendendo a estar sozinha e feliz comigo.

A única coisa que desejo neste momento é que eu não descubra um mundo mais feio ainda fora deste meu novo casulo que estou prestes a eclodir.

No fundo, eu acho que o que vou precisar logo, logo, é de colo…  Ou será que já não preciso neste momento?

❤ ❤ ❤

 

 

 

Anúncios

Do Que os Homens Gostam?

Postado em Atualizado em

Primeiro, quero deixar claro que estou absolutamente confusa! Não existe mais homem raiz, minha gente!

São tantos casos surreais que acontecem comigo e com minhas amigas, que fico pensando onde a humanidade vai parar.

Bebês, uma coisa que Luluzinha vai dizer para vocês, que talvez os choque: as mulheres são muito menos complicadas que vcs!

Ok, a gente sangra todo mês e isso, por si só, é puta esquisito. Ficamos nervosas por conta disso, às vezes até um pouco exageradamente, mas são poucos dias, passa! Vc tem pelo menos mais 25 dias por mês de vida normal. Normal para nós! Porque vcs homens, têm o poder de embananar nossa mente! Homens ficam menstruados o mês todo, a vida toda?

Nós mulheres temos que ficar medindo palavra, comportamento, tesão porque senão os mocinhos se assustam, bloqueiam, o pau não sobe… socorro, né! Nós temos vontades sim, desejos… não necessariamente queremos casar, estamos carentes, estamos buscamos somente relacionamentos sérios, ou queremos alguém para nos bancar. Open your minds!

Outro aviso: o fato de sermos independentes não significa: 1) que temos pau; 2) que não aceitamos que cavalheiros paguem as contas; 3) que não possamos pagar a conta toda, caso o rapaz tenha algum problema; 3) que não amamos; 4) que não temos tesão.

Equilíbrio é fundamental.

Dito isso, fica mais claro expor algumas colocações sem parecer feminista, machista, sexista, extremista ou sei lá mais o quê… Tem pessoas que adoram problematizar as coisas…

Vou trazer casos de amigas e meus, preservando seus protagonistas. Isso é uma obra de ficção, qualquer analogia com fatos reais, será sim, proposital.

Caso 1)
Ele: 45 anos, engenheiro, empresário, separado, sem filhos, um pincher com um nome ridiculamente infantil, a quem vou chamar de PSICO.
Ela: 41 anos, separada, filhos, cachorro, independente, a quem vou chamar de NOTA PSICO.
Se conheceram num aplicativo de relacionamento. Conversaram por quase 3 meses antes de se conhecerem. Ela chegou a aceitar a proposta para 2 encontros que ele fez, mas no dia acertado, ele nem entrava em contato. E ela, como mocinha da história, não o procurava.
Num certo dia, ele a telefonou e disse um sonoro “É Hoje! Vou te conhecer.”, ao que do outro lado da linha, a resposta um tanto quanto sarcástica respondeu um valioso monossilábico “OK”. Ele disse que sairia do Recreio às 14hs para ir para o Centro. Às 15h ele chegou, com óculos emendado com esparadrapo, camisa florida que ele deve ter comprado num brechó que o Silvio Santos despacha as suas camisas casuais, calça surrada, mas queria beber. Ela o levou num restaurante com chopp artesanal. Ele disse que estava lendo um livro sobre psicopatas e que tinha feito o teste, que não era psicopata com certeza. Ela pensou: Sorte a minha… A conversa não rendeu muito tempo, ela tinha que voltar ao trabalho. Ele entendeu, mas antes deixou com ela um link para que ela fizesse o teste de psicopatia. ok…
Duas semanas depois continuavam se falando e ele a pediu para visitar com ele um imóvel que ele tinha e que precisava de ajuda. Ela pensou: É hoje! Depois de andarem o bairro todo. Ele a levou no carro e deu um selinho super infantil, enquanto ela pensava em algo mais profundo. Ok, o rapaz pode ser devagar.
Os papos continuaram por telefone, mensagem, video, mas nunca nada mais quente. Porém, PSICO já a tratava como namorada e futura esposa (?????). Mas, e…
Numa sexta a tarde ele ligou para ela e a chamou para jantar. Só que tinha que ser no Recreio, num restaurante que ele gostava muito e que queria que ela conhecesse. Ela saiu do centro às 18:20 e só conseguiu chegar lá no dito restaurante às 20:40. Ela esperava que ele fosse cavalheiro, afinal de contas, ela foi até o encontro dele, longe bagarai, mas ok, a conta foi dividida. Era meia noite e ele a chamou para a casa dele, ela aceitou. Chegando lá, ele ligou a TV em clipes dos anos 80, se deitou no sofá, do lado dela, de calça jeans e assim dormiram. Dormiram. Ela, ainda sem acreditar, esperou amanhecer. Ele roncava tão alto, que ela percebeu que o melhor mesmo era dar por finalizada aquela aventura.
Sem mais.

Caso 2)
Ele: 33 anos, engraçado, conversa boa, a quem vou chamar de LIER
Ela: 41 anos, engraçada, conversa boa, a quem chamarei de CHOCKED
Também se conheceram pelo aplicativo. A conversa animou rápido, muitas coisas em comum. Falaram sobre tudo, já estavam até conversando por voz, video e etc. Opa! Tá na hora de marcar.
O LIER escreve uma frase solene: “Estou muito feliz que finalmente vamos nos conhecer, mas antes preciso lhe dizer algo que estou com medo de sua reação.”
Ok, desembucha logo. Quer matar uma mulher é fazer esse suspense. A gente banca a séria e a controlada, mas o fogo já está consumindo nossas ventas até a criatura colocar a porra do mistério para fora.
O Lier continua digitando…
A Chocked esperando o whatsapp atualizar a mensagem já roendo e terceira unha. Em cima, digitando… não desaparece. É um testamento?
Finalmente a mensagem. Algo do tipo: Olha, não sei o que vc vai pensar, mas por favor não me julgue. Sou casado, amo minha mulher, mas quero você. Não quero me separar da minha esposa, mas quero também ter você ao meu lado. Vivo bem com ela, não me falta nada. Mas estou louco por você.
Não, para! É muita informação para mim!!!!!!!!
Alguém desenha para mim, que acho que eu abobalhei. COMO ASSIM??????????????
Obviamente ela o bloqueou e fim.

Caso 3)
Ele: 42 anos, independente, mas mora com os pais, já morou com alguém, mas se feriu. Chamarei de RAQUETE.
Ela: 41 anos, independente, separada. Chamarei de LADY.
Lady e Raquete têm uma amiga em comum, que os apresentou via facebook. Raquete estava sofrendo por um amor não correspondido e a amiga apresentou LADY. Trocaram telefones. Ele devagar. Mandava mensagens esporádicas. Talvez com receio de ser rejeitado. Ela o respondia sempre, prontamente.
Finalmente marcaram, quase 2 meses depois. Cinema e lanchinho. Na carona de volta para casa, splish splash, foi o beijo que ele deu. Lady amou. Queria mais. Mas ela saiu na porta da casa dela e nada aconteceu. 2 dias e silêncio. Será que Raquete não gostou???? A Amiga intercedeu. Não, estava ocupado, justificou. Mandou mensagem com foguinhos para Lady, ela acreditou. “Vc traz a lenha, pro meu fogo acender…”
Fogo ??? Ela chamou Raquete para um café num noite fria de outono, ele disse que não podia… Ok, vai ver que não pode mesmo.
3 dias depois, domingo, sol maroto… “Oi, Raquete, o que planeja para hoje?”, ele responde: “Estudar para a pós, estou com matéria atrasada…” Gente, que borracha fraca é essa?????? Se fosse homem raiz, ela nem precisaria terminar a frase, ele já estaria na porta da casa dela, com arma em punho para começar a brincadeira de polícia e ladrão.
Fica para uma próxima…

Caso 4)
Ele: 45 anos.
Ela: 41 anos.
Aplicativo de namoro. Mundo pequeno, um amigo dele conhece o ex marido dela. Conversaram pouco, ele era interessante. Marcaram. Ele estava gripado, tinha tomado um coquetel Molotov e estava em marcha lenta. Ela o levou em casa, ele se despediu com um beijo. Que beijo! Segundo encontro rápido!
Ela já subindo pelas paredes, 2 meses sem trepar, se arruma toda, vai trabalhar e a noite tem o encontro. 16:30, quase lá. Vai no banheiro e tcham! Tio Chico chega de surpresa. Fala sério!!!!
Obviamente a sugestão existiu! Opa, ele é raiz????!!!! Ela explica que tem bandeira vermelha no mar. Ele a principio diz não ligar e insiste. Ok, vamos lá. No caminho ele diz: Pensando bem, é melhor adiar. Ok.

Caso 5)
Ele: 39 anos, solteiro
Ela: 41 anos, separada
A irmã dela manda uma foto e pergunta: “e ai? Serve?”. Ela responde: “Uau, e como serve!”. Amigo de infância da irmã e ela diz: “Então corre no app que vcs deram match, mas ele tá sem graça porque você não deve ter associado quem é ele. Manda uma mensagem para ele que ele vai te responder. Ele tá a fim.”
Ela manda a mensagem fazendo analogia a coincidência de forma inteligentemente engraçada e ele responde. Óbvio que ele responde, com huahuahuahua.
Fim.

Caso 6)
“_ Ah, não vou chamá-la para sair essa semana porque semana que vem é dia dos namorados e eu tenho medo que ela entenda errado e eu não quero gastar dinheiro.”
“_ Querer eu quero, poder eu posso, gostar eu gosto (até muito), mas não sei se devo…””
“_ O problema sou eu, não você…”
“_ Ah, mas eu só saio com puta profissional, não é traição com minha esposa porque não tem sentimento.”
“_ Eu faço isso para me sentir desejado, mas não quero me separar da minha mulher.”
“_ Eu terminei com ela porque não conseguia tirá-la da cabeça e isso me impedia de fazer outras coisas.”

Ai, gente… Parei. Cansei… Nem vou contar mais casos. São muitos. Todo dia alguém me conta um outro mais absurdo ainda. Esses caras são muito complicados. Tá a fim, chega e diz. Se a menina tiver a fim também, por que não? Não criem lendas urbanas na mente, não tenham medo do destino. Não tenham medo de menina só porque ela se banca, isso não significa que ela vai te cornear. Deixe rolar. Se não der certo, começa de novo e de novo. Que medo mais ridículo que os homens têm de se apaixonar. Gente, a vida é curta! Pra que ficar adiando as coisas? Carpe Diem, aproveite cada momento como se fosse o último, não sabemos quando a nossa vida chega ao fim, pode ser a qualquer momento, a vida sempre será um sopro.

Outra coisa, se você procura fora do seu relacionamento algo a mais, é porque o seu relacionamento não é completo para você, não se engane. Não engane sua parceira. Procure sua felicidade completa em alguém. Não prorrogue mentiras, nem sofrimentos. Jogue limpo, sempre, sem complicações. Não crie fantasias na cabeça, não tente pensar por nós. Não tente imaginar o que passa na nossa cabeça. Amem, simples assim!

Foco, Força, Fé e…

Postado em Atualizado em

Foda-se, Foda-se, Foda-se!

Não, não estou irritada. Muito pelo contrário. Tô saindo da minha fase complicada. Cara, não fiz essa porra de tatuagem escrito foda-se a toa nas costelas. Não é possível que eu não compreenda que td é uma questão de tempo e… FODA-SE.

Minha crise de ansiedade estava fora de controle porque simplesmente não estava com o foda-se ligado no máximo. Aliás, acho que o botão estava emperrado no volume mínimo. WD40 nele, girl!

Pronto. Tô de volta. Não exatamente do jeito que eu queria, mas to no caminho de volta. Chega de remédios, chega de sofrer por nada, chega de pensar no que não vai me render frutos. Foda-se o que me faz mal. Vai se envenenar sozinho na casa do chapéu.

Saca aquele momento da música de Eduardo e Mônica, em que ele “aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer e decidiu trabalhar.” . To nesta parte da música, To aprendendo a beber e decidindo trabalhar… Trabalhar especialmente em mim, pra mim e por mim.

No more drama! Ok, pode ser que ainda sinta um pouco de auto piedade, mas isso ainda é perdoável, não é? Juro, juradinho que vou fazer isso quase que ocultamente.

Sabe o que é surreal? Quando fazemos planos para daqui a 10, 20 anos, parece que estamos falando de muito tempo. Mas experimente pensar em algo que aconteceu 20 anos atrás. Pois é, parece que foi ontem, não é? A gente adia tanto nossos planos, nossa felicidade, que quando a gente se dá conta, acabou, passou, foi! O tempo perdido, não recuperamos mais. Então pq vou ficar perdendo meu precioso tempo com o que não vale a pena. Move on, Xuxu!

Mas, preste atenção! Isso não significa que tenha cansado e nem muito menos desistido de certos sonhos. Isso apenas significa que vou aproveitar os limões para tomar uma caipirinha bemmmmmmm docinha e gelada. E quando os sonhos resolverem me procurar, vou estar super de boa para tocar a vida com eles…ou sem eles também. FODA-SE!

Hoje acordei tão Cidália Moreira… amando todo mundo e não amando ninguém. É, darling, há uma primavera em cada alvorada, vou seguir assim, até não conseguir mais. Que eu saiba me perder, pra depois me encontrar… ❤ ❤ ❤

Amar
Cidália Moreira

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui… além…
mais este e aquele, o outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disse que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
pois se Deus nos deu voz foi pra cantar

E se um dia hei de ser pó e cinza e nada
que seja a minha noite uma alvorada,
que me saiba perder… pra me encontrar…